29 de jul de 2010

JESUS E KRISHNA: SEMELHANÇAS ENTRE SUAS VIDAS E OBRAS

Algumas pessoas sugerem que Yeshua de Nazaré (mais conhecido como Jesus Cristo pela maioria dos Cristãos) e Krishna, a segunda pessoa da trindade Hindu, seriam a mesma pessoa. Mas é evidente que não são. Há muitos indícios de que Jesus nasceu na Palestina durante a última década aC, enquanto Krishna nasceu milênios antes, na Índia.
Outros levantaram a possibilidade de que as histórias do nascimento, ministério, execução e morte de Jesus terem sido copiados ainda que parcialmente da vida de Krishna. Se alguém apagasse dos Evangelhos os eventos da vida de Jesus que parecem ter se originado da história de Krishna, ficaria com uma história de:
- Um rabino-curador muito humano, itinerante, Judeu.
- Um mestre que seguiu grandemente os ensinos de Hillel, um rabino Judeu liberal do século I aC.
- Um Judeu que tinha um relacionamento especial com Deus - um parentesco tão próximo que Jesus se referia a Deus pelo termo familiar "Abba".
Isso se aproxima muito da imagem de Jesus descoberta por vários teólogos liberais, em sua busca do Jesus histórico. No entanto, se os eventos na vida de Yeshua que parecem ter vindo de Krishna fossem eliminados como inválidos, então a maioria das crenças-chave do Cristianismo teria que ser abandonada: seu nascimento de uma virgem, a encarnação, a vida sem pecados, crucificação, descida ao Inferno, ressurreição, ascensão ao paraíso. Os critérios para a salvação, a crença na Trindade e a exatidão da Bíblia, etc. também teriam que ser abandonados.

Sobre Jesus:
Alguns dizem que Yeshua de Nazaré foi uma figura puramente mitológica. Outros acreditam que ele foi uma pessoa real que viveu talvez entre os séculos 2 e 3 aC. Mas existe um consenso quase completo de que Yeshua de Nazaré nasceu na Palestina entre 4 e 7 aC. As crenças sobre sua natureza e papel diferem:
- A maioria dos cristãos acredita que ele é o Filho de Deus, a segunda pessoa na Trindade. Ele gastou um tempo relativamente curto pregando e curando (um ano principalmente na Galiléia, de acordo com os evangelhos sinóticos; três anos principalmente em Judá de acordo com o Evangelho de João). Ele foi executado, ressuscitou e ascendeu ao paraíso. Os Cristãos conservadores acreditam que o destino normal para os seres humanos é a punição eterna no Inferno; apenas uma porcentagem relativamente pequena das pessoas, os que confiam em Jesus como Senhor e Salvador escapará deste destino.
- Os Muçulmanos acreditam que Jesus foi um dos maiores profetas. Ele não foi nem crucificado nem ressuscitou; ele morreu com uma idade avançada. Eles consideram Deus como sendo único e indivisível, e não uma Trindade de personalidades.
- Os Cristãos Judeus (aproximadamente em 30 dC) parecem ter acreditado que Jesus era um reformador Judeu, profeta, e curandeiro nativo.
- No antigo movimento Cristão, os Gnósticos Cristãos acreditavam que Jesus era um ser espiritual, que apenas aparentava ser uma pessoa encarnada.

Sobre Krishna (também chamado de Crishna):
Krishna nasceu, viveu e morreu pelo menos 14 séculos antes de Yeshua. As estimativas da data de seu nascimento variam. Algumas são 1477, 3112, 3600, 5150, e 5771 aC.
Os Hindus acreditam que quando o mal se espalha profundamente sobre a terra, o Ser Supremo vem à terra na forma de um ser humano "para extirpar a imoralidade e estabelecer a virtude, para que a terra fique livre dos pecadores". O Senhor Krishna foi uma de tais encarnações.
"Krishna é a nona(*) e completa encarnação de Vishnu, a Divindade da Trindade Hindu. De todos os avatares de Vishnu ele é o mais popular, e talvez entre todos os deuses Hindus seja o que mais esteja próximo do coração das massas... Krishna era negro e extremamente formoso. A palavra Krishna significa literalmente "negro", e o negro também tem conotação de mistério... Quer ele tenha sido um ser humano ou um Deus encarnado, não há dúvida no fato de que ele tem ocupado o coração de milhões por mais de três milênios. Nas palavras de Swami Harshananda, "Se uma pessoa pode ter um impacto tão profundo na raça Hindu afetando sua psique e ética em todos os aspectos de sua vida por séculos, ele não é menos que Deus"
Acredita-se que ele tenha morrido aos 125 anos de idade. "Em seus dias finais na terra, ele ensinou sabedoria espiritual a Uddhava, seu amigo e discípulo, e ascendeu à seu lar depois de se liberar de seu corpo, que foi atingido por um caçador chamado Jara."

(*) Parece que o autor errou. A maioria das fontes Hindus lista Krishna como a oitava encarnação de Vishnu; a nona foi Buda.

Jesus e Krishna são a mesma pessoa?
Pelas razões vistas acima, isso é impossível. Mas muitos levantam a possibilidade que que a descrição da vida de Jesus nos Evangelhos foi copiada, ao menos parcialmente, da história da vida de Krishna, e dos mitos de outros homens-deuses. Stephen Van Eck escreveu: "Então temos o épico Hindu, o Bhagavad-Gita, uma história da segunda pessoa da Trindade Hindu, que tomou forma humana como Krishna. Alguns o tem considerado com um modelo para o Cristo, e é difícil argumentar contra isso quando ele diz coisas como:

'Eu sou o início, o meio, e o fim' (BG 10:20 x Apocalipe 1:8)

Seu advento foi proclamado por um homem pio chamado Asita, que poderia morrer feliz sabendo de sua chegada, uma história com paralelo na de Simeão em Lucas 2:25

A missão de Krishna era trazer o caminho para o "reino de Deus" (BG 2:72), e ele avisou dos 'obstáculos em que se tropeça' durante o caminho (BG 3:34, 1 Cor. 1:23, Rev. 2:14).

A motivação principal dos ensinos de Krishna, revelados a um discípulo favorito, às vezes parecem coincidir com Jesus ou a Bíblia. Compare: 'os sábios não se lamentam nem pelos vivos nem pelos mortos' (BG 2:11) com o sentido do conselho de Jesus para 'deixar que os mortos enterrem seus próprios mortos' (Mateus 8:22).

Quando Krishna diz, 'Eu não invejo nenhum homem, nem sou parcial com ninguém; Eu sou igual para com todos' (BG 9:29) assemelha-se muito à idéia de que Deus não tem preferencias individuais (Romanos 2:11, veja também Mateus 5:45) E aquele que considera igualmente seus amigos e inimigos... me é muito querido' (BG 12:18) é remanescente de 'amar seus inimigos' (Mateus 5:44)

Krishna também disse que 'pelos cálculos humanos, mil anos juntos tem a duração de um dia de Brahma' (BG 8:17), o que é muito semelhane a 2 Pedro 3:8.

O autor Kersey Graves escreveu um livro em 1875 no qual ele lista 346 "analogias notáveis entre Cristo e Chrishna." Abaixo temos uma lista das coincidencias exatas entre as vidas de Yeshua e Krishna

Correspondencias entre os eventos das vidas de Jesus e Krishna:
Seu autor, Kersey Graves (1813-1833), um Quaker de Indiana, comparou as vidas de Yeshua e Krishna. ele encontrou 346 elementos comuns entres os escritos Cristãos e Hindus. Alguns dos eventos selecionados sâo:
- 6 & 45: Tanto Yeshua quando Krishna foram chamados de Deus e de Filho de Deus.
- 7: Ambos foram mandados do céu à terra na forma de um homem
- 8 & 46: Ambos foram chamados de Salvador, e a segunda pessoa da trindade.
- 13, 15, 16 & 23: Suas mães forma virgens santas, e tinham nomes parecidos: Miriam (Maria) e Maia. Seu pai humano adotivo era um carpinteiro.
- 18: Um espírito era seu pai verdadeiro.
- 21: Krishna e Jesus tinham ascendencia real.
- 27 & 28: Ambos foram visitados ao nascer por homens sábios e pastores, guiados por uma estrela
- 30 a 34: Um anjo avisou que o ditador local planejava matar o bebe e assinou um decreto para seu assassínio. Os pais fugiram. Maria e José ficaram em Muturea; os pais de Krishna ficaram em Madura.
- 41 & 42: Yeshua e Krishna se retiraram ao deserto quando adultos, e jejuaram.
- 56: Ambos foram identificados como "a semente da mulher esmagando a cabeça da serpente."
- 58: Jesus foi chamado de "o leão da tribo de Judá." Kishna foi chamado de "o leão da tribo de Saki."
- 60: Ambos declararam: "Eu sou a Ressureição."
- 64: Ambos diziam sobre si mesmos, que tinham existindo antes de seu nascimento na Terra.
- 66: Ambos eram "sem pecado".
- 72: Ambos eram deus-homem: considerados tanto como homens, como divinos.
- 76, 77 & 78: Ambos foram considerados oniscientes, onipotentes, e onipresentes.
- 83, 84 & 85: Ambo fizeram vários milagres, incluindo a cura de doentes. Um dos primeiros milagres executados por ambos foi a cura de um leproso. Cada um curou "todos os tipos de doenças."
- 86 & 87: Ambos expulsaram demonios de possessos, e levantaram mortos.
- 101: Ambos escolherarm discípulos para divulgar seus ensinamentos.
- 109 a 112: Ambos eram humildes, e misericordiosos. Ambos foram criticados por se associarem a pecadores.
- 115: Ambos encontraram uma mulher pagã num poço.
- 121 a 127: Ambos celebraram uma última ceita. Ambos perdoaram seus inimigos.
- 128 a 131: Ambos desceram ao Inferno, e depois ressuscitaram. Muitas pessoa testemunharam suas ascenções ao céu.
Graves declara que tanto Krishna quanto Yeshua nasceram em 25 de Dezembro. Aqui ele se engana: a tradição atribui o nascimento de Krishna em Agosto. O festival Janmashtami é celebrado em honra de seu nascimento. O dia do nascimento de Jesus é desconhecido, embora muitos acreditem que ele também tenha nascido em Agosto. O 25 de Dezembro foi escolhido para o Natal por causa de uma festa Pagã Romana antiga, a Saturnália. O 25 de Dezembro também era conhecido em tempos antigos como o dia de nascimento de vários homens divinos como Attis e Mithra.
Além destes, há outros pontos de semelhança entre Krishna e Yeshua:

- "O objetivo do nascimento de Krishna foi trazer a vitória do bem sobre o mal."
- Krishna "veio à terra para limpar os pecados dos seres humanos."
- "Krishna nasceu quando seu pai Nanda estava na cidade para pagar os impostos para o rei."
- Yeshua nasceu enquanto seu pai, José, estava na cidade para o censo que houve para "que todo mundo pudesse pagar impostos."
- Jesus é lembrado por ter dito: "seu voce tiver a fé do tamanho de uma semente de mostarda você dirá para a montanha se eleva e lançar-se ao oceano". Krishna é lembrado por ter erguido uma pequena montanha.

Krishna e Yeshua foram crucificados e posteriormente subiram ao paraíso?
Além dos pontos de semelhança acima entre Yeshua e Krishna, pode ter existido mais uma similaridade: ambos podem ter sido crucificados.
Em seu livro, Graves declara que tanto Yeshua quanto Krishna foram crucificandos entre dois ladrões, com a idade aproximada de 30 a 36 anos por "mãos perversas." Contudo, isso pode ter sido apenas um desejo do autor. A "descrição ortodoxa comum da morte de Krishna relata que ele foi atingido no pé por uma flecha, debaixo de uma árvore." Mas o autor Jacolliot, referindo-se ao "Bhagavad-Gita e as tradições Brahmanes", diz que o corpo de Krishna "foi suspenso nos galhos de uma árvore por seu assassino, para que ele se tornasse presa dos abutres... (Posteriormente) a forma mortal do Redentor desapareceu - sem dúvida ele retornou às moradias celestiais..."
A Religion de l'Antiquité de M. Guigniaut relata: "A morte de Crishna é contada de modo muito diferente. Uma tradição notável e convincente diz que ele faleceu numa árvore, na qual ele tinha sido fixado ao ser atingido por uma flecha."
Há outras referencias à Krishna sendo crucificado, e sendo exibido com furos em suas mãos, pés e partes laterais do corpo.
Nas Escrituras Cristãs (Novo Testamento) a crucifixação de Yeshua numa cruz ou estaca é frequentemente mencionada como tendo sido "pendurado numa árvore:"
Atos 5:30: "O Deus de nossos pais elevou Jesus... pendurando-o numa árvore."
Atos 10:39: "... suspendendo-o numa árvore."
Atos 13:29: "... eles o desceram da árvore..."
Gálatas 3:13: "Cristo nos redimiu da maldição da lei, tendo se tornado uma maldição por nós; pois está escrito, maldito é qualquer um suspenso numa árvore."
1 Pedro 2:24: "...levando ele mesmo os nossos pecados em seu corpo sobre á árvore ... "
 
Correspondencias entre as crenças do Hinduísmo e do Cristianismo:
- Uma recompensa futura no paraíso ou punição no inferno.
- O Hinduísmo e o Catolicismo compartilham o conceito do Purgatório.
- Um dia de julgamento.
- Uma ressurreição geral.
- A necessidade do arrependimento pelos pecados.
- A salvação requer a fé no Salvador.
- Uma crença em anjos e espíritos maus.
- Uma crença que doenças e enfermidades são causadas por maus espíritos.
- Uma guerra no passado entre maus e bons anjos no paraíso.
- Livre-arbítrio.
- Deus é considerado como a "Palavra de Logos."
- Seus textos religiosos falam de "cegos guiando cegos", "um novo céu e uma nova terra", "água viva", "todas as escrituras são dadas por inspiração de Deus", "todas escrituras servem para a doutrina", "morrer é o maior ganho", etc.
- As duas religiões discutem o jejum, e o renascimento.

Pontos de semelhança entre o Hinduísmo e o Cristianismo:
Símbolos: O tridente - tradicionalmente empunhado pela Divindade Hindu Shiva, assemelha-se muito à cruz Cristã. Acrescentando um chifre em ambas extremidades da barra horizontal de uma cruz, ela se transforma num tridente com três pontas. Isso foi realmente feito numa cruz Cristã erguida numa comunidade Batista de 1200 pessoas em Ranalia, na Índia. Por décadas, os Batistas lavaram o símbolo de uma cruz numa grande pedra numa colina da cidade. Em 1999, alguém acrescentou dois chifres, transformado a cruz num tridente. Quando a fumaça abaixou (literalmente) mais de 150 cabanas de taipa dos Cristãos tinham sido destruídas. Alguns culparam o Partido nacionalista Hindu Bharatiya Janata. Contudo, isso foi negado pelo chefe local do partido. Este foi um evento muito incomum, pois os Hindus da Índia são conhecidos pelo seu nível incomumente alto de tolerancia religiosa. Muitos Hindus acreditam que todas as religiões podem levar seus seguidores a Deus. 15

O papel da água: A maioria dos Cristãos batisa os membros de sua congregação, crianças ou adultos. Às vezes isso se faz pela imersão total em água; outras vezes pela aspersão de água sobre a cabeça da pessoa. Na Igreja Católica Romano, o batismo é o sacramento que limpa as pessoas do pecado original. A imersão na água pelos Hindus também é um ritual importante. "No Hinduísmo a água tem um lugar especial pois acredita-se que ela tem poderes espiritualmente purificadores... Supõe-se que nas águas sagradas as distinções de casta não contam em nada, e todos os pecados se vão... Todo templo tem um reservatório próximo para que os devotos banhem-se antes de entrarem no templo." 16

A reação Cristã à semelhança das vidas de Jesus e Krishna:

Muitos teólogos Cristãos primitivos observaram a extrema semelhança entre o Cristianismo e as religiões Pagãs como o Hinduísmo, Mithraísmo, etc. Eusébio de Cesária (aprox. 283-371) escreveu: "A religião de Jesus Cristo não é nova nem estranha."

S. Agostinho de Hipólito (354-430) escreveu: "Esta, nos dias atuais, é a religião Cristã, que não era desconhecida em tempos anteriores, mas apenas recentemente recebeu este nome."

Alguns líderes Cristãos primitivos atribuiam as semelhanças a um truque de Satã. Eles sentiam que Satã tinha criado diversos salvadores crucificados, nascidos de virgens, antes de Jesus para desacreditar a singularodade do Cristianismo. Outros atribuem as semelhanças a meras coincidencias.

Para muitos Cristãos conservadores, o título deste estudo está na beira de uma blasfemia. Os evangelhos, e o restante da Bíblia, não são livros comuns. Eles são a palavra infalível e inspirada de Deus. Os evangelhos descrevem a vida de Jesus, de sua concepção à ascenção, precisamente como ocorreu por volta de 5 a.C. até aproximadamente 30 d.C. Certamente existiam crenças Hindus circulando na Palestina do primeiro século. Contudo, o material dos evangelhos não poderia ter vindo destas fontes. Deus evitaria que Mateus, Marcos, Lucas e João cometessem erros em seus escritos. Não existiria a incorporação de lendas Pagãs da vida de Krishna. Os pontos de semelhança devem ter sido o resultado de outras influencias. Nada nos evangelhos teria vindo dos Hindus nem de outras fontes Pagãs. A questão é ridícula, e nem mesmo merece ser investigada.

Muitos Cristãos liberais sentem que vale a pena estudar o tópico de uma fonte Hindu para os eventos na vida de Jesus. Vários sistemas de crença pagãos, inclusive o Hinduísmo, permearam a região do Mediterraneo no século 1. Existiam vários heróis homens nos panteões de Deuses pagãos dos Egípcios, Gregos, Indianos, Romanos e de outros povos, cujo papel era o de ser salvadores da humanidade - de modo muito semelhante ao de Jesus. Para poder competir com essas religiões, o Cristianismo teve que descrever Jesus em termos que igualassem ou superassem as lendas pagãs. Os autores dos evangelhos podem muito bem ter escolhido temas de outras fontes e acrescentado-os à seus escritos para tornar o Cristianismo mais digno de crédito para um mundo Pagão. Ao isolarmos e removermos este material, podemos ser capazes deter uma visão mais clara do que Jesus ensinou e de como ele viveu.

Fonte: http://members.fortunecity.com/conselheiro/0613.htm

28 de jul de 2010

EXISTE VIDA APÓS A MORTE?

Excelente programa com Dr. Sérgio Felipe de Oliveira trazendo a visão científica e espiritual do assunto.


Fiquem na paz, Namastê!

25 de jul de 2010

ALZIRO ZARUR - FUNDADOR DA LBV E UNIVERSALISTA


Alziro Abrahão Elias David Zarur (Rio de Janeiro, 25 de dezembro de 1914 — Rio de Janeiro, 21 de outubro de 1979) foi um jornalista, radialista, poeta e escritor, fundador e primeiro presidente da Legião da Boa Vontade.


Tendo sido criado por sua avó no Catolicismo Romano e freqüentado diversos círculos religiosos - templos protestantes, centros espíritas, sociedades positivistas, etc - Zarur afastou-se dos círculos sociais durante 1 ano, entre 1948 e 1949, vivenciando um "exílio espiritual" para planejar, em pormenores, a obra que viria a fundar.


Em 1950, fundou a Legião da Boa Vontade, com o objetivo de promover o diálogo inter-religioso e contribuir para o desenvolvimento solidário por meio de ações nas áreas social, educacional, cultural e filosófica.


Com o estabelecimento da LBV, Zarur iniciou a Cruzada de Religiões Irmanadas, em prol da união das crenças, na busca pela paz. Teve adesão de diversos padres, pastores, líderes espíritas e lideranças de outros segmentos doutrinários. No entanto, oito anos depois abandonou o projeto dessa Cruzada alegando o despreparo das autoridades religiosas para o ecumenismo. Porém, sua preocupação em respeitar as diferentes religiões foi reconhecida pelo Vaticano. Zarur recebeu do Núncio Apostólico Dom Sebastião Baggio a Medalha do Papa Paulo VI, "por serviços prestados à causa do Ecumenismo".


Em 1958, casou-se em cerimônia na Igreja Ortodoxa, religião de seus pais. A partir desta mesma data, concentrou a atuação da LBV na promoção da caridade.


Pelas ondas da Rádio Mundial, controlada por ele mesmo, Zarur motivou por todo o Brasil a formação de grupos particulares que promoviam ações beneficientes em nome da LBV.


Concedeu entrevistas em todas as emissoras de TV da época. Realizou programas culturais, dentro da série O Povo Quer Saber e O Show é Zarur, respondendo sobre os mais variados assuntos, com auditórios lotados. Dava grande ênfase ao Novo Mandamento dado por Jesus Cristo: Amai-vos uns aos outros como eu vos amei.


Na Rádio Mundial, de 1956 à 1966, divulgou toda a Bíblia Sagrada, de meia em meia hora, durante as 24 horas do dia, fato único em todo o mundo.


SURGIMENTO DA LBV


De acordo com a LBV, Zarur participou de uma sessão espírita na Federação Espírita Brasileira, no Rio, em 1948, e na ocasião a médium Emília Ribeiro lhe disse: "Zarur, vi São Francisco ao seu lado o tempo todo e ele disse que é hora de começar". Com o coração tocado, começou, a partir deste fato, a procurar saber tudo sobre a vida do Santo de Assis. Leu o livro "Il Fioretti" que tinha em seu acervo e foi percebendo as coisas que deveria realizar.


Em 4 de março de 1949 ele iniciou o programa "Hora da Boa Vontade", pregando o "Apocalipse de Jesus", o que gerou um grande "impacto" nacional, pois muitas pessoas nunca haviam, sequer, pensado na palavra apocalipse, que em grego significa revelação. O público alvo da programação eram as pessoas que passavam por algum tipo de problema, independentemente de suas crenças, etnias ou classe sociais.


Com o sucesso do programa, Alziro Zarur fundou oficialmente, em 1º de janeiro de 1950, a Legião da Boa Vontade (LBV), que realizava atividades voltadas às comunidades carentes. Um dos principais ideais da LBV é o ecumenismo, que proporcionaria a congregação entre as pessoas.


LBV NA ONU


A LBV foi a primeira organização não-governamental brasileira a associar-se ao Departamento de Informação Pública das Nações Unidas (DPI), a partir de 1994. Em 1999, tornou-se também a primeira ONG do Brasil a conquistar na ONU o status consultivo geral no Conselho Econômico e Social (Ecosoc). E, em 2000, passou a integrar a Conferência das ONGs com Relações Consultivas para as Nações Unidas (Congo), em Viena, na Áustria.


A LBV foi fundada oficialmente em 1º de janeiro de 1950, no Rio de Janeiro, Brasil, por Alziro Zarur. Ele presidiu a entidade até 1979, quando faleceu. José de Paiva Netto é o atual Diretor-Presidente.


Fonte: Wikipedia

22 de jul de 2010

LÍDERES PROTESTANTES E O RESPEITO POR MARIA DE NAZARÉ

Lutero, Calvino, Zwinglio, John Wesley tinham profundo respeito e admiração pela Mulher mais importante do Cristianismo, e Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo, Maria de Nazaré. Ela foi escolhida por Deus e o Anjo veio falar-lhe. Teve a elevadíssima missão de colaborar com a vinda do Messias e esteve ao lado do Mestre Nazareno em todos os momentos.


Abaixo há diversas frases, denotando carinho, amor e respeito pela Mãe do Cristo. Que nossos irmãos protestantes e principalmente os pentecostais possam refletir, pois o que Jesus pediu foi para que "amemos uns aos outros" sem distinção de pessoas. Da mesma forma que as mulheres da Bíblia como Sara, Rute, Ester são respeitadas, Maria de Nazaré que é retratada também pela Bíblia merece ainda mais receber o respeito e carinho.


”Quem são todas as mulheres, servos, senhores, príncipes, reis, monarcas da Terra comparados com a Virgem Maria que, nascida de descendência real (descendente do rei Davi) é, além disso, Mãe de Deus, a mulher mais sublime da Terra? Ela é, na cristandade inteira, o mais nobre tesouro depois de Cristo, a quem nunca poderemos exaltar bastante (nunca poderemos exaltar o suficiente), a mais nobre imperatriz e rainha, exaltada e bendita acima de toda a nobreza, com sabedoria e santidade.” (Martinho Lutero, ”Comentário do Magnificat”, cf. escritora evangélica M. Basilea Schlink, revista ”Jesus vive e é o Senhor”).


”Por justiça teria sido necessário encomendar-lhe [para Maria] um carro de ouro e conduzi-la com quatro mil cavalos, tocando a trombeta diante da carruagem, anunciando: ‘Aqui viaja a mulher bendita entre todas as mulheres, a soberana de todo o gênero humano’. Mas tudo isso foi silenciado; a pobre jovenzinha segue a pé, por um caminho tão longo e, apesar disso, é de fato a Mãe de Deus. Por isso não nos deveríamos admirar, se todos os montes tivessem pulado e dançado de alegria.” (idem, cf. escritora evangélica luterana M. Basilea Schlink, revista ”Pergunte e Responderemos” nº 429).


”Ser Mãe de Deus é uma prerrogativa tão alta, coisa tão imensa, que supera todo e qualquer intelecto. Daí lhe advém toda a honra e a alegria e isso faz com que ela seja uma única pessoa em todo o mundo, superior a quantas existiam e que não tem igual na excelência de ter com o Pai Celeste um filhinho comum. Nestas palavras, portanto, está contida toda a honra de Maria. Ninguém poderia pregar em seu louvor coisas mais magníficas, mesmo que possuísse tantas línguas quantas são na terra as flores e folhas nos campos, nos céus as estrelas e no mar os grãos de areia.” (idem, cf. escritora evangélica M. Basilea Schlink, revista ”Jesus vive e é o Senhor”)


”Peçamos a Deus que nos faça compreender bem as palavras do Magnificat… Oxalá Cristo nos conceda esta graça por intercessão de sua Santa Mãe! Amém.( Martinho Lutero, ”Comentário do Magnificat”).


”O Filho de Deus fez-se homem, de modo a ser concebido do Espírito Santo sem o auxílio de varão e a nascer de Maria pura, santa e sempre virgem .(Martinho Lutero, ”Artigos da Doutrina Cristã”)


”Não podemos reconhecer as bênçãos que nos trouxe Jesus, sem reconhecer ao mesmo tempo quão imensamente Deus honrou e enriqueceu Maria, ao escolhê-la para Mãe de Deus.” (João Calvino, Comm. Sur l’Harm. Evang.,20)


”Firmemente creio, segundo as palavras do Evangelho, que Maria, como virgem pura, nos gerou o Filho de Deus e que, tanto no parto quanto após o parto, permaneceu virgem pura e íntegra.” (Zwinglio, em ”Corpus Reformatorum”)


”Creio que [Jesus] foi feito homem, unindo a natureza humana à divina em uma só pessoa; sendo concebido pela obra singular do Espírito Santo, nascido da abençoada Virgem Maria que, tanto antes como depois de dá-lo à luz, continuou virgem pura e imaculada.” (John Wesley, fundadador da Igreja Metodista, em carta dirigida a um católico em 18.07.1749)


Paz do Senhor Jesus!


21 de jul de 2010

QUEM FUNDOU A IGREJA ANGLICANA?

Qual o anglicano que já não cansou de ouvir a “história” de que o rei inglês Henrique VIII é o fundador da Igreja da Inglaterra? É isso que se ensina nas nossas escolas, e a coisa passa como conhecimento comum. No entanto, isso é inteiramente falso.
Daí, em conseqüência dessa “história”, muitos membros da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil pensam seja a sua Igreja um produto da Reforma, diferindo apenas em coisas de somenos importância das denominações que se originaram nesse movimento do século XVI. Dele surgiram denominações Luteranas (derivadas dos seguidores de Martinho Lutero), Presbiterianas e Congregacionalistas (derivadas dos seguidores de João Calvino, por isso chamadas “Calvinistas”), e Metodistas, cujo aparecimento se deu por volta de 1800.
Todas essas denominações estabeleceram por si mesmas os seus ministérios. Até a Reforma havia tão somente um ministério cristão. E este ministério era e ainda é algo contínuo desde o inicio do Cristianismo, pela não rompida sucessão de ordenações de Bispos. É o ministério católico de Bispos, Presbíteros e Diáconos. A corrente de sucessivas delegações de autoridade ministerial derivou dos Apóstolos, sem nunca haver sido rompida. É o ministério com o qual nós, os anglicanos, estamos familiarizados.

20 de jul de 2010

AYURVEDA, A CIÊNCIA DA VIDA

por Camila Reitz

Shakti Yantra
“Não há fim no aprendizado do Ayurveda.
Você deve dedicar-se cuidadosa e constantemente a ele.
Você deve aumentar a sua sabedoria aprendendo de outrem sem ciúmes.
O sábio olha todo mundo como seu mestre.
O ignorante considera todo mundo como seu inimigo.”
Charaka Samhita

Observando o Universo, podemos dizer que tudo o que existe é único, não existindo nada igual a nada. Mesmo que duas estrelas pareçam iguais, elas não são, pois uma é uma e outra é outra. Essa é a grande diferença de visão entre a medicina “tradicional” e o Ayurveda, a ciência da vida. O Ayurveda trata cada indivíduo como um ser único.

A palavra Ayurveda vem de duas outras em sânscrito: ayus significa vida e veda, sabedoria ou ciência. Essa é uma ciência baseada na observação dos seres humanos e suas atuais relações com o meio ambiente. É denominada mãe de todas as medicinas, pois influenciou a medicina chinesa, a tibetana, a grega e também a da cultura árabe. A partir daí influenciou o mundo todo de diferentes formas. É uma filosofia não ortodoxa, contendo elementos ateístas, e suas raízes são os ensinamentos do Tantra.

O Ayurveda trabalha com seres humanos que aspiram a ter longevidade, abundância e felicidade. Sendo assim, os que desejam isso devem seguir os seus ensinamentos.

Os objetivos dessa ciência são:

• conquistar saúde e longevidade para o indivíduo
• prevenir estados de desequilíbrio mental e físico
• equilibrar o corpo e a mente
• atingir a libertação


Todos os aspectos estão relacionados. Para se conseguir a liberação, é necessário equilibrar o corpo e a mente, e por consequência manter a saúde perfeita. Esta pode se adquirir através de condutas diárias regulares, de dietas relacionadas às estações do ano, de purificaçõs do corpo e das emoções (bhuta shuddhi), além de sintonizar-se com a sua própria natureza. Estar constantamente saudável é comparável com estar em liberação, pois assim você deixa de sofrer.

O Ayurveda não é somente um sistema de medicina, mas uma ciência que promove saúde, aumentando o bem estar e a felicidade em todos os aspectos. Nos mostra não somente como tratar as doenças, mas como viver de uma maneira que nos proporcione uma ótima saúde e um maior aproveitamento das faculdades mentais, que, de acordo com o Yoga e o Ayurveda, são ilimitadas.

Sendo assim, trata não somente de fatores físicos, mas também de fatores psicológicos, que é o fator mais importante para se manter o equilíbrio e, por consequência, a saúde. Pode-se dizer que as doenças são apenas uma descoordenação entre o corpo e a mente.

Um passo importante para a felicidade e uma boa saúde é a liberação da mente, quando todos os nossos desejos se acabam. Estes nos distanciam de uma vida equilibrada, pois fazem com que percamos os limites de medida, causando desequilíbrio da mente. E infelizmente deixamos com que a mente e nossos desejos controlem as nossas ações, colocando regras em nossas vidas e causando desequilíbrio em nossa natureza.

Essa ciência está muito ligada ao Yoga, pois aqueles que querem atingir estados de consciência mais elevados necessitam primeiramente ter um corpo saudável, fora do alcance de doenças, que causam desconforto e nos distanciam cada vez mais do objetivo final.

Esse objetivo às vezes toma muito tempo de nossas vidas para que aconteça, e por isso o Ayurveda trata da saúde para aumentar a longevidade e a qualidade de vida do yogi. Através da combinação de técnicas de Yoga e a utilização de ervas, massagens, dietas e técnicas de purificação, os antigos sábios indianos arrumaram uma maneira de prolongar o tempo de vida.

O Yoga como terapia é tradicionalmente uma parte do Ayurveda, que trata com doenças tanto físicas quanto mentais. Utiliza asanas e pranayamas para a cura de doenças físicas e técnicas de meditação, pratyahara e prática de mantras para curar a mente. Porém, a alimentação correta é um dos fatores mais importantes para se manter a saúde. Nas medicinas orientais, quando uma pessoa fica doente, a primeira técnica de cura é através da alimentação, e ela é realmente muito importante para a medicina ayurvédica, pois é principalmente através dela que absorvemos os elementos da natureza.

O Ayurveda trata cada indivíduo como sendo único, pois cada um tem o seu biotipo, o qual é determinado de acordo com a predominância dos elementos da natureza na sua constituição, bem como através das características físicas e psicológicas da pessoa.

Mas como sabemos quais são os elementos que predominam no nosso próprio corpo, e como isso funciona? Vamos dar alguns exemplos: sabe aquele tipo de pessoa que está sempre com calor, e mesmo no inverno deixa as janelas de casa abertas, que está sempre com fome e pode comer de tudo, pois sempre tem uma ótima digestão e não engorda com facilidade? Esse tem como elemento predominante o fogo. Seu dosha, ou sua natureza, é pitta, que tem como característica ser quente, transformar, e está ligado ao metabolismo do corpo.

Aquela pessoa magra, que não para por um segundo e está sempre inventando algo novo, que tem o apetite e a digestão variados, sofre de insônia, está sempre indecisa sobre o que fazer e dá um pulo de susto se uma porta bater com força, tem como elementos predominantes o espaço e o ar. Seu dosha é vata, que tem como característica ser frio, seco e estar sempre em movimento, e está ligado a todos os movimentos do corpo, principalmente aos impulsos nervosos.

Existe outro tipo de pessoa, que se move devagar e com graça, gosta de rotina, tende a engordar só de olhar pra comida, tem a digestão lenta e pesada, tende a ser alegre e apegado à família e tem os pés e as mãos frias. Essa pessoa tem os elementos água e terra predominantes no corpo. Seu dosha é kapha, que tem como característica ser frio e molhado, estável e sólido, e é responsável pela formação dos tecidos do corpo, assim como pela lubrificação dele.

No entanto, na maioria dos casos, as pessoas tem dois doshas, e existem pessoas que são tridoshicas. Em todos os casos, o que o Ayurveda quer é manter o equilíbrio de todos os elementos da natureza no corpo.

A medicina “tradicional” começa onde a medicina ayurvédica termina: no tratamento da doença. O primeiro estágio do Ayurveda é o desenvolvimento da consciência e, através deste, um maior envolvimento com a natureza, entrando em sintonia com ela. Enquanto a medicina “tradicional” trata de curar a doença, ou seja, matar um microorganismo ou retirar estranhos tumores que aparecem “não sei da onde”, a ciência da vida trata de manter o equilíbrio dos elementos que constituem o Universo e o indivíduo, para que não haja doença.

Fonte: Site Ekadanta Yoga

19 de jul de 2010

CONHECENDO A SUDDHA DHARMA MANDALAM

No primeiro bloco, estudo sobre o livro Mensagens do Astral de Ramatis, que aborda a transição planetária / apocalipse. Segunda parte com a querida irmã de Uniluz Margareth Gonçalves contando um pouco sobre o milenar "Lei Interna" Suddha Dharma Mandalam.



Tenham uma semana de paz, silencio interior e harmonia com o Senhor!

16 de jul de 2010

DIVALDO FRANCO SOBRE O MEDO DA MORTE

SRILA GURUDEVA EXPLICANDO SOBRE A MORTE




Pra quem não leu muito sobre, entenda Krsna como Deus.

15 de jul de 2010

IMORTALIDADE DA ALMA

Mais um excelente programa Transição, com os sábios esclarecimentos do Dr. Severino Celestino, estudioso da bíblia em suas versões originais.

O que diz a Bíblia sobre a imortalidade da alma?



Fiquem na paz, na luz, com amor!

13 de jul de 2010

MEDO DE QUE?


Você não precisa saber tudo para ajudar alguém que tenha perguntas.
Quando sua intenção de compartilhar é pura, as respostas vêm.

Hoje, quando você quiser canalizar soluções e apoio para alguém, peça mentalmente:
“Por favor me mostre como ajudar essa pessoa”.

Seja paciente e palavras que você nunca soube que estavam dentro de você sairão de sua boca. (Yehuda Berg)


Medo de Que?

Medos derivam de nosso lado escuro, o aspecto de nós mesmos que procura sabotar nossas melhores intenções.

Mas eles não são reais, por isso que dizemos que o medo é uma evidência falsa que aparenta ser real.
(em inglês, Fear = Fake (falsa) Evidence (Evidência) Appearing (Aparentemente) Real (Real))

O método cabalístico para quebrar o golpe através do qual o medo tem nos estrangulado é falar todos nossos pensamentos malucos e obsessões a um professor ou amigo confiável.

Este é um ótimo remédio.

Compartilhe estas dúvidas que aparecerem em sua mente e coração.

Não esconda por causa de vergonha.

Ao colocar pra fora de seu peito, você pode quebrar o poder da má compulsão para que ela deixe de te influenciar com tanta força da próxima vez.

Pra quem não sabe, o mês de Câncer contém a energia tanto do mês de Touro (Luz de Cura) como também a energia do mês de Gêmeos (Luz de Imortalidade).

O que isso significa?

Que através de nossas conexões espirituais (Escaneamento do Zohar; Oração do Ana Becoach, Os 72 Nomes de Deus, e as Letras do Mês) e nossos comportamentos pró-ativos (certeza na Luz, compaixão, tolerância, paz, alegria, apreciação, simpatia, generosidade, paciência, serenidade, etc.) poderemos trazer para nossa vida energia de cura (para curar nossos relacionamentos, nossos negócios, nossa alma e nosso corpo) e energia de Imortalidade (para eliminar qualquer energia de “morte” de nossas vidas: Imortalidade nos negócios; Imortalidade no amor; Imortalidade na saúde; Imortalidade nos relacionamentos; etc.)

A gente tem que entender que O Criador, a Luz do Criador, quer nos dar Tudo!

E aí alguém pode perguntar:

“Ah, então se não tenho tudo é por que a Luz está com raiva de mim?”

Não é por causa disso.

A Força da Luz do Criador é uma Força Infinita de Benevolência e Amor, e Ela só tem um único desejo:
Compartilhar todas essas bênçãos infinitas com Sua criação – Nós!

Então, se a Luz quer nos dar Tudo e nós não estamos recebendo significa “apenas” que não estamos sabendo como Receber...

E um dos por quês que impedem de recebermos o que a Luz quer nos dar é o medo.

Temos medo (dúvida e incerteza) do nosso poder divino.

Temos tanto poder que chega a nos assustar e daí ficamos com medo (dúvida e incerteza).

Quando temos medo, automaticamente criamos dúvidas e incertezas para com a Luz do Criador.

Porque se de verdade confiássemos na Luz do Criador, não íamos ter medo de nenhuma Falsa Evidência Aparentemente Real!

Não íamos paralisar nossa vida, paralisar nosso progresso, nossa evolução por nenhum fato ilusório que estimula nosso lado negro – o medo.

Somente quando desejamos enfrentar nossos medos é que podemos acabar com todos eles!

Se não temos a coragem e esforço de enfrentarmos os nossos medos nunca teremos como eliminar eles, e assim, continuaremos em algum nível escravos de nossas limitações, escravos do nosso lado negro.

De maneira prática, temos que contar nossos medos a um amigo ou professor, e depois disso procurarmos forças e coragem para enfrentarmos nossos medos, um por um, até que nos livremos de todos eles.

Isso não é fácil de fazer, mas quem disse que era pra ser fácil?


Por: Yehuda Berg e Shimon Ferreira

12 de jul de 2010

COMO AS PALAVRAS INFLUENCIAM SEU DESTINO

Mais uma aula do querido Adão Nonato: o Poder das palavras em nossas vidas!



Fiquem com Deus!

8 de jul de 2010

VISÕES DIFERENTES DO MESMO DEUS


Padre Zezinho traz ensinamentos maravilhosos a respeito das visões diferentes que fazemos do mesmo Deus, sendo vistos apenas de ângulos diferentes.


E fala sobre o perigo do fanatismo religioso.


Palavras sábias para refletirmos!


Deus é único!
Deus é amor!


Há vários ângulos para ver o mesmo Pai Celestial!






6 de jul de 2010

O MANTRA OM (AUM)


O AUM ( ૐ ) é uma sílaba constituída por três letras: A, U e M, e pronuncia-se OM.
AUM é o símbolo universal do Yoga e do Hinduísmo.
Traçado, é um Yantra (símbolo) Pronunciado é um Mantra.
Representa o verbo divino em forma audível.
Representa o Fogo solar, a Unidade, a Imensidão, o Cosmos, pois contem a essência de todos os sons que podem ser pronunciados, assim como o Passado, o Presente e o Futuro.
É a semente de todos os Mantras e de toda a Consciência.
Nesta sílaba, 'A' representa o Criador, a Criação, o Fogo, a Ação, Brahma; 'U' representa o Conservador, o Sol, a Consciência, Vishnu; 'M' representa o Destruidor, o Vento, a Vontade, Shiva.
Ela reúne os três grandes poderes-divindade do panteão bramânico.

TRAILLER DO FILME "NOSSO LAR"

5 de jul de 2010

PEDAGOGIA WALDORF - INTRODUÇÃO

Rudolf Steiner

1. Introdução
Valdemar W. Setzer
www.ime.usp.br/~vwsetzer
(Original: 18/2/1998; versão 3.1: 21/6/09)

Não há, basicamente, em nenhum nível, uma educação que não seja a auto-educação. [...] Toda educação é auto-educação e nós, como professores e educadores, somos, em realidade, apenas o ambiente da criança educando-se a si própria. Devemos criar o mais propício ambiente para que a criança eduque-se junto a nós, da maneira como ela precisa educar-se por meio de seu destino interior. Es gibt im grunde genommen auf keiner Stufe eine andere Erziehung als Selbsterziehung. [...] Jede Erziehung ist Selbsterziehung und wir sind eigentlich als Lehrer und Erzieher nur die Umgebung des sich selbst erziehenden Kindes. Wir müssen die günstigste Umgebung abgeben, damit das Kind an uns sich so erzieht wie es sich durch sein inneres Schicksal erziehen muss.
Rudolf Steiner, A Prática Pedagogócia (São Paulo: Ed. Antroposófica), palestra de 20/4/1923, GA 306

A Pedagogia Waldorf foi introduzida por Rudolf Steiner em 1919, em Stuttgart, Alemanha, inicialmente uma escola para os filhos dos operários da fábrica de cigarros Waldorf-Astória (daí seu nome), a pedido deles. Distinguindo-se desde o início por ideais e métodos pedagógicos até hoje revolucionários, ela cresceu continuamente, com interrupção durante a 2a. guerra mundial, e proibição no leste europeu até o fim dos regimes comunistas. Hoje conta com mais de 1.000 escolas no mundo inteiro (aí excluídos os jardins de infância Waldorf isolados).

As escolas Waldorf sempre foram integradas da 1a à 8a (ou 9a) séries, e até a 12a quando possuem o ensino médio, de 4 anos. Não há repetições de ano, e nem atribuição de notas no sentido usual.

Uma das principais características da Pedagogia Waldorf é o seu embasamento na concepção de desenvolvimento do ser humano introduzida por Rudolf Steiner (veja uma biografia dele). Essa concepção leva em conta as diferentes características das crianças e adolescentes segundo sua idade aproximada. O ensino é dado de acordo com essas características: um mesmo assunto nunca é dado da mesma maneira em idades diferentes.

Ela é uma pedagogia holística em um dos mais amplos sentidos que se pode dar a essa palavra quando aplicada ao ser humano e à sua educação. De fato, ele é encarado do ponto de vista físico, anímico e espiritual, e o desabrochar progressivo desses três constituintes de sua organização é abordado diretamente na pedagogia. Assim, por exemplo, cultiva-se o querer (agir) através da atividade corpórea dos alunos em praticamente quase todas as aulas; o sentir é incentivado por meio de abordagem artística constante em todas as matérias, além de atividades artísticas e artesanais, específicas para cada idade; o pensar vai sendo cultivado paulatinamente desde a imaginação dos contos, lendas e mitos no início da escolaridade, até o pensar abstrato rigorosamente científico no ensino médio. O fato de não se exigir ou cultivar um pensar abstrato, intelectual, muito cedo é uma das características marcantes da pedagogia Waldorf em relação a outros métodos de ensino. Assim, não é recomendado que as crianças aprendam a ler antes de entrar na 1a série. Sobre a necessidade do brincar infantil no jardim-de-infancia, veja-se o artigo "Crisis in the Kindergarten: why Children Need to Play in School" editado pela Alliance for Childhood. Para as caracterizações sucintas do desenvolvimento infantil e juvenil em períodos de 7 anos, os setênios, base fundamental da pedagogia, vejam-se os artigos de Sonia Setzer sobre educação e drogas e o de Sonia Ruella. Como o computador força um pensamento lógico-simbólico, nenhuma escola Waldorf digna desse nome utiliza essa máquina, sob qualquer forma, antes do ensino médio (9a série na seriação Waldorf); ver artigos a respeito.

As escolas Waldorf são totalmente livres do ponto de vista pedagógico, pertencendo em geral a uma associação beneficente sem fins lucrativos. Idealmente, a administração escolar é feita pelos próprios professores (veja-se (texto de Rudolf Steiner a esse respeito). Cada escola é independente da outra: o único que as une é o ideal de concretizar e aperfeiçoar a pedagogia de R.Steiner, visando formar futuros adultos livres, com pensamento individual e criativo, com sensibilidade artística, social e para a natureza, bem como com energia para buscar livremente seus objetivos e cumprir os seus impulsos de realização em sua vida futura. O amor que os professores Waldorf devem desenvolver pelos seus alunos, e o conhecimento profundo que eles adquirem de cada aluno são outras características fundamentais da pedagogia. Por exemplo, idealmente durante os 8 anos do ensino fundamental cada classe tem um único professor que dá todas as matérias principais, isto é, fora artes, artesanato, educação física e línguas estrangeiras (em geral duas, nos 12 anos de escolaridade). No ensino médio há um professor que, durante os 4 anos, assume o papel de tutor da classe. O médico escolar tem nas escolas Waldorf um papel fundamental de apoio médico-pedagógico aos professores, e deve conhecer profundamente a pedagogia.

Nos Estados Unidos, as melhores universidades costumam aceitar com preferência os ex-alunos Waldorf, pois sabem que se trata de jovens diferenciados, com uma vasta cultura, com capacidade de concentração e aprendizado, e alta criatividade. Nesse país, que tanto se caracteriza pela praticidade de seu povo e pela liberdade de ensino, houve nos últimos 30 anos uma explosão de escolas Waldorf, que passam hoje em dia de uma centena.

No Brasil há 25 escolas Waldorf ou de inspiração Waldorf, sendo 4 em S.Paulo (3 com ensino médio). A mais antiga, existente desde 1956, é a Escola Waldorf Rudolf Steiner de São Paulo, que tem cerca de 850 alunos e 75 professores. Agregado a ela há o curso mais antigo de formação de professores Waldorf no Brasil, reconhecido oficialmente.

No Brasil, espera-se que os formados no colegial ainda façam um ano de cursinho para entrarem nos cursos superiores mais concorridos, se bem que tem havido muitos casos de aprovação no vestibular nas melhores universidades, sem cursinho. Em geral, os ex-alunos entram em faculdades de procura média sem necessidade de preparo adicional.
(continuação do artigo no site http://www.sab.org.br/pedag-wal/pedag.htm).


Fonte: http://www.sab.org.br/pedag-wal/pedag.htm

Agradecemos ao colega Sr. Valdemar W. Setzer pela colaboração e apoio ao Blog dos Universalistas.



SERÁ QUE VAI MESMO ACONTECER?

Escutai o chamado da Luz!

Vários avisos temos passado sobre os "momentos finais" e esta humanidade ainda despreza a necessidade de mudança da trajetória, permanecendo nas faixas de baixa freqüência.

Eis que urge o momento do soar das trombetas.

Meus irmãos, a descrença e a falta de fé nos desígnios de Deus continuam imperando entre a maioria dos terráqueos.

Vemos, com pesar, o profundo descaso para com os assuntos de teor espiritual que os concitam à reforma íntima.

É um desespero, um desequilíbrio de mentes muito arraigadas no "ter", no "ser" e no que "é meu".

Quantas vezes nós avisamos sobre o "Resgate", sobre os "Três Dias de Escuridão", sobre o "Exílio", enfim, sobre a "Transição Planetária" e ainda insistis em perguntar: "será que vai acontecer mesmo"?

Não vai acontecer! Já está acontecendo!...

Querem mais provas para atestar o estado de óbito de vosso Planeta?

Não caiam na ilusão de que, na situação em que viveis atualmente, as "coisas" irão melhorar. O remédio é amargo e deveis sorvê-lo com resignação e coragem. Também, não saberemos informar o dia e a hora do "Grande Momento".

Trabalhai, estudai e perseverai, a cada dia, na Seara Divina.

Seguis a vida como se hoje fosse o último dia de vossa jornada. Mas, prestais bastante atenção: não interpreteis tais palavras no sentindo mundano, e sim, no sentido de que sois responsáveis pelos sentimentos, palavras e ações produzidos por vós.

Meus amados irmãos, chegará, em breve, o momento em que ireis trilhar sozinhos dias de muito sofrimento em todo o Planeta.

Nossa presença será cerceada por um tempo; curto ou longo, não importa. O que deve importar é que deveis ter confiança no Pai e em nós, pois velaremos por todos. Mesmo que pairem nas mentes a idéia de que abandonamos nossos irmãos terráqueos, nós sempre estaremos presentes.

A carga de energia será mais densa do que é hoje. Então, naqueles dias, nos manteremos afastados, visto que não é de nosso merecimento receber a descarga de vibrações negativas do vosso Orbe.

Infelizmente, essas vibrações nocivas foram produzidas e perpetuadas pela maioria do povo terráqueo. Nada mais justo e correto do que este povo receber de volta o que produziu.

"A cada um, segundo seu merecimento". Sábias palavras do Mestre Nazareno que poucos irmãos dão primazia. Se vivenciassem o mandamento maior, se amassem primeiramente a Deus e ao próximo como a si mesmos, jamais precisariam passar por tantos sofrimentos.

Somente o amor, o perdão, a fé e a caridade salvam. Não há outro recurso que não este.

Salve a Luz!
Salve o Mestre Jesus!

Elsim
Irmão Intraterreno de Stelta.
GESH – 21/11/2009 – Vigília Pedra Azul – Domingos Martins, ES – Brasil

1 de jul de 2010

RABINO RESPONDE


Rabino David Weitman traz esclarecimentos sobre a estrela de Davi e o candelabro.

CONHECENDO O CAODAÍSMO

Templo Caodaísta


Cao Dai ("Morada Alta" em língua vietnamita) ou Caodaísmo é uma religião sincretista relativamente nova, monoteísta, oficialmente fundada na cidade de Tay Ninh, no sul do Vietnã, por Ngô Văn Chiêu, no ano de 1926.
O nome completo da religião é Đạo Đại Tam Ky Tél Độ, o que significa "a terceira grande amnistia religiosa universal". A religião tem 7 ou 8 milhões de seguidores no Vietnã, e uma significante quantia em Austrália, Nova Zelândia e Oceania.


O fundador do Cao Dai foi Ngô Văn Chiêu, nascido no seio de uma família pobre. Aos sete anos foi viver com uma tia cuja condição economica era consideravelmente superior. Desde novo, Ngo Van Chieu mostrava-se interessado em religião, tendo estudado as tradições orientais do confucionismo e do taoísmo, bem como o espiritismo.


Em 1919 Ngo Van Chieu, que se tinha tornado funcionário do governo francês na Indochina, alegou ter recebido uma mensagem do Ser Supremo ("Duc Cao Dai") enquanto participava numa sessão de espiritismo na qual procurava uma resposta para os problemas de saúde da sua mãe. Ele se tornaria o profeta do novo movimento religioso, cuja constituição oficial ocorre a 7 de Outubro de 1926. Quando o Japão invadiu a Indochina um exército constituído por membros do Cao Dai foi estabelecido e após a guerra o movimento se tornou uma força que influenciou a vida política nacional. Quando o Vietname se tornou um país comunista em 1975, o movimento foi reprimido pelas autoridades e em consequência surgiu uma diáspora de membros do movimento que levou a religião a outros locais do planeta.

Principais crenças
A religião acredita na existência de um único Deus, a quem chama de "Cao Dai", que se considera ser o mesmo Deus adorado pelas outras religiões sob diversos nomes. Este ser, que não possui genero ou forma, é representado como um olho esquerdo inserido num triângulo, símbolo que pode ser visto em todos os templos da religião.

Deus era a única coisa existente até ele ter decidido criar o universo, os seres humanos, as plantas, os animais, etc. O processo de criação implicou a divisão de Deus e por isso o caodaísmo defende que todos os seres possuem uma parte de Deus neles próprios.

A história religiosa do mundo é dividida em três grandes períodos. O primeiro iniciou-se em 2500 a.C. quando Deus inspirou a fundação do judaísmo, do hinduísmo e da religião chinesa. Cerca de mil anos depois, iniciou-se o segundo período durante o qual surgiram o budismo, confucionismo, o cristianismo e o islão. Porém, as mensagens destas religiões foram corrompidas e elas não deram lugar ao nascimento de uma religião universal, entre outras razões, pelas dificuldades nos transportes e nas comunicações. Por esta razão, Deus iniciou um terceiro período de transmissão no qual surgiu o caodaísmo cujo objectivo pretende ser reunir os ensinamentos destas religiões e ao mesmo tempo unir toda a humanidade na mesma religião. Enquanto que nas ocasiões anteriores Deus usuou profetas para comunicar a sua mensagem, desta feita ele decidiu comunicar directamente com os seres humanos através de sessões espíritas. Neste terceiro período Deus escolheu especificamente o sul do Vietname para divulgar a sua mensagem por entender que ao longo dos tempos o povo desta região se mostrou aberto à religião.

O sincretismo deste movimento religioso pode ser detectado na fusão de elementos centrais do taoísmo, confucionismo e budismo.

O adeptos do Cao Dai acreditam na reencarnação e no karma. As ações positivas ou negativas de uma pessoa determinam as condições de vida futura. Uma pessoa cujas ações forem excessivamente negativas continuará a entrar no ciclo das existências; pelo contrário, aqueles que tenham levado uma vida plena de boas ações poderão experimentar uma futura vida agradável ou poderão mesmo libertar-se do ciclo de morte e renascimento.

Práticas
O Cao Dai oferece duas formas de praticar a religião: a exotérica e a esotérica. A primeira forma é a mais seguida pelos adeptos e é praticada no contexto de uma vida de leigo. A via exotérica implica praticar o bem e evitar o mal, seguir os preceitos e virtudes confucionistas, seguir os cinco preceitos (não matar, não roubar, não cometer adultério, não tomar substâncias intoxicantes e não usar palavras agressivas) e levar uma alimentação vegetariana durante dez dias de um mês.

A via esotérica (conhecida como Chieu-Minh Vo Vi) é considerada a mais elevada das duas vias, mas é também é mais rigorosa e exigente. Nela é obrigatório seguir sempre uma alimentação vegetariana e praticar a meditação. Os padres do Cao Dai seguem esta via, na qual comprometem-se a seguir os quatro mandamentos.

As práticas religiosas devem ser realizadas diariamente, podendo ter lugar nos lares ou nos templos. É recomendado que os adeptos do caodaísmo realizem quatro cerimónias ao longo do dia (às seis horas da manhã, ao meio-dia, às oito horas da noite e à meia-noite); porém o mínimo exigido é uma cerimonia. O local central deste culto religioso é o altar, que deve ser posicionado no centro de uma casa ou templo. Perante o altar os crentes recitam orações e fazem prostrações.

Organização interna
A organização interna da religião assemelha-se em larga medida à da Igreja Católica Romana. A estrutura do movimento encontra-se definida no "Phap-Chanh-Truyen", que é a constituição escrita do movimento, alegadamente transmitida por Deus ao longo de uma série de sessões espíritas. A religião possui padres, bispos, arcebispos, cardeais e um papa. As mulheres podem ser ordenadas na religião, porém não podem alcançar a posição de papa. Desde 1934 que o movimento não possui um papa.

Fonte: Wikipédia



ASSEMBLEIA DE DEUS RUMO AOS 100 ANOS


Homenagem aos nossos irmãos da Igreja Assembleia de Deus, rumo ao Centenário.





Related Posts with Thumbnails