21 de dez de 2010

O HOMEM É UM DEUS ENFAIXADO

"O homem é um Deus enfaixado. O Tempo é uma faixa. O espaço é uma faixa. A carne é uma faixa e do mesmo modo são faixas todos os sentidos e as coisas por eles percebidas. A mãe sabe que as faixas não são a criança. A criança, porém, não sabe.
O homem ainda é muito consciente de suas faixas que mudam de dia para dia e de idade para idade. Em vista disso, sua consciência está constantemente fluindo; e a palavra pela qual sua consciência se expressa nunca é clara e com significado definido; e a sua compreensão é nebulosa; e a sua vida está em desequilíbrio. É a confusão três vezes confusa.
E eis que o Homem brada por socorro. Seus gritos de angústia reverberam pelos eões. O ar está pejado de seus gemidos. O mar está salgado com suas lágrimas. A terra está sulcada pelas suas sepulturas. Os céus estão ensurdecidos pelas suas preces. E tudo porque ele ainda não sabe o significado de seu EU que é, para ele, a faixa e a criança que nela está enfaixada.
Ao dizer eu, o Homem racha a Palavra em duas partes: suas faixas - uma delas; a divina centelha imortal - a outra. Dividirá realmente o Homem aquilo que é Indivisível? Deus o proíbe. Nenhum poder, nem mesmo o de Deus, poderá dividir o indivisível. É a imaturidade do Homem que o faz imaginar a divisão. E o Homem, o recém-nascido, cinges-se para a batalha e se põe em guerra contra o Ser-Total, julgando-o inimigo do seu ser.

Nesta guerra dispar o Homem rasga suas carnes em tiras e derrama o seu sangue em torrentes, enquanto Deus, o Pai-Mãe, amorosamente observa, pois Ele sabe que o Homem está somente rasgando os seus pesados véus e derramando o amargo fel que o faz cego e não deixa ver sua unidade com o Uno.
É esse o destino do Homem - lutar, sangrar, desfalecer e afinal, despertar e estabelecer a divisão no eu, com sua própria carne, selando-a com o seu próprio sangue.
Eis, ó monges, que fostes avisados- e mui sabiamente avisados - para serdes prudentes no uso do eu, pois, enquanto com isso vos referirdes às faixas e não exclusivamente à criança; enquanto for para vós mais peneira do que um cadinho, até então estareis peneirando vossa vaidade, para colherdes a Morte com toda a sua ninhada de dores e agonias."

Fonte: Cap. 5 de "O Livro de Mirdad" de MIKHAIL NAIMY - Baixá-lo aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails