29 de nov de 2012

EXISTE INFERNO NO JUDAISMO?


Existe inferno no Judaísmo?
Rabino Moré Ventura explica.



22 de nov de 2012

PASTOR SAMUEL - RESPEITO E DIÁLOGO INTER RELIGIOSO


Amigos e Amigas,
Assistam ao vídeo do respeitável Pastor Adventista Samuel Gomes de Lima e Presidente da Associação Brasileira de Liberdade Religiosa e Cidadania. Na sua apresentação ele fala sobre paz, liberdade e respeito com todas religiões; neste belo encontro do UNILUX (Fórum Inter-religioso Universalista)

Que este vídeo seja reflexão para muitos religiosos de algumas denominações cristãs. A Bíblia ensina o amor, as Igrejas ensinam o perdão. As falhas e o fanatismo religioso não é de Deus, e sim do ser humano.

Reflitam nesta inspirada palavra do Pastor.







21 de nov de 2012

CARTA A UM EVANGÉLICO

Olá Sr. Evangélico, aqui quem fala sou eu, o Sr. Espiritualista.

Antes de mais nada, preciso lembrar-lhe de que somos irmãos, ou pelo menos não há nada explícito em nossas doutrinas que afirme o contrário...

Vejamos, então, a questão da espiritualidade africana. Tenho visto o senhor dizer que os orixás são demônios e que toda macumba é necessariamente coisa do Capeta... No entanto, é preciso que saiba: para o pessoal lá dos terreiros, macumba é só um instrumento musical, tipo reco-reco, sabe como é? Nem tem tanta importância assim, o som dos tambores é bem mais importante no ritual deles; E, já que falamos nos rituais, são coisas bem antigas, bem antigas mesmo! Muito antes dos termos “demônio” e “Capeta” terem sido inventados, já se faziam rituais para os orixás na África. Se ler um pouco de ciência e antropologia, saberá o que os cientistas já dão por quase certo: que viemos todos da África, o homo sapiens surgiu em algum ponto entre a parte sul e central do continente mãe.

O próprio deus bíblico deve muito ao deus que era cultuado na Mesopotâmia por povos que já eram bisnetos milenares dos primeiros africanos que batiam tambores em homenagem a Natureza. Sem El, Javé não seria muito mais do que o espírito ancestral de alguma tribo de hebreus perambulando por Canaã. Javé foi cultuado como um patriarca de homens, El foi compreendido como um deus cósmico, criador de tudo o que há [1]... Mais ou menos como Olorun, que criou o mundo, mas está tão acima de nosso plano de existência que não há nenhum xamã africano que tenha tido coragem de tratar diretamente com ele [2].

Foi muita engenhosidade dos hebreus esta que associou Javé a El, e com isso criou a ideia de um deus cósmico que, não obstante, poderia ser contatado como qualquer outro grande patriarca. O problema é supor que somente os rabinos podiam contatá-lo... Não foi exatamente por isto que Lutero lutou toda sua vida? Para que as pessoas comuns pudessem ler os textos sagrados e conhecer a Deus por si mesmas, sem a intermediação de Roma? Pois bem, pois os nossos irmãos africanos já falavam com Deus há muito mais tempo que a gente, e nem precisavam de livros para isso.

Quer dizer que todo o ritual que evoca orixás é coisa do bem? Claro que não, mas a maioria é. Maças podres, temos em qualquer pomar, e tenho certeza de que mesmo o neopentecostalismo tem as suas... Ou o senhor acha que abençoar talismãs com óleo ungido, ou derrubar fileiras inteiras de pessoas ao chão, é algo perfeitamente baseado nas Escrituras?

Tudo bem, vamos ser honestos: o que achamos um barato é essa tal experiência religiosa. Decerto Pentecostes foi uma loucura do Espírito Santo, mas quem garante que foi a primeira? Se até hoje os senhores procuram falar a língua dos anjos, porque encrencar com o caboclo que fala a língua dos espíritos da Natureza? Por mim, anjos e rios, cachoeiras e carruagens de fogo, florestas e sarças ardentes, se foram vistas pelas mentes que creem, se fizeram o bem para elas, que mal há? Onde o senhor vê o Capeta nessa história toda?

Por mim, se existe um ser assim, condenado a ser mal por toda a eternidade, ele não iria atuar sobre os verdadeiramente religiosos, mas antes optar pela via mais simples: tentar aqueles que já não creem, que não se dedicam, que nunca se arriscaram realmente a mergulhar neste Oceano de Amor que permeia todo o espaço e todos os tempos...

Me perdoe, eu tenho certeza que não é o seu caso, mas acaso nunca viu um cristaozão desses que bate no peito dentro da Igreja e diz: “Sou de Cristo!”, mas que começa a falar mal da sogra 5 minutos depois de terminar a oratória do pastor? De que adianta se achar um grande cristão ao chutar imagens de santos e orixás por aí, se ao chegar em casa chuta o seu cachorro e esbofeteia sua esposa? Será que Cristo falou numa espada para matar os infiéis, ou em oferecer a outra face para o agressor?

Os índios das Américas, coitados, também nunca tinham ouvido falar em Cristo. Os colonizadores europeus não deram muitas escolhas para eles: ou se convertiam, ou eram exterminados [3]. Até mesmo muitos que disseram ter se convertido foram exterminados do mesmo jeito, pois não serviam para o trabalho escravo... E o que há de cristão nisso tudo? Nas Cruzadas, o general francês perguntou ao representante do Papa como iriam identificar os cristãos dos não cristãos, na invasão de uma cidade onde cristãos, judeus e cátaros viviam em harmonia; Ele apenas disse isto: “Matem todos, que Deus escolherá os seus”... Ao que lhe pergunto: e quais deles não eram “de Deus”?

Ainda hoje, no Centro-Oeste do Brasil, há tribos indígenas sendo evangelizadas. Evangelizar não é o problema, pois ao menos estão dando a oportunidade para que esses indígenas se tornem parte de alguma outra comunidade que não a sua, e não vivam isolados, como párias, em um país construído sobre a invasão e o extermínio de suas terras ancestrais... O problema, este sim, é proibi-los de pintar o corpo de vermelho. “Vermelho é a cor do Capeta!”, seus colegas dizem... Mas, e o que diabos os índios tem a ver com o Capeta? Na maioria das mitologias indígenas, sequer existe um ser representante do mal, quanto mais um anjo caído... Eles nem sabem o que é um anjo! Se não podem se pintar de vermelho, vão se pintar de branco? Ou de verde? Ou lilás? Convenhamos, isso não faz o menor sentido.

Vamos tentar ser mais seguidores de El, e menos seguidores de Javé. Javé era um espírito ancestral, e precisava de barganhas e favores, e tinha ciúmes dos cultos de espíritos e deuses alheios, como foi o caso com Baal. Mas El não, El não tinha um oposto, pois o Tudo não tem oposto – o Nada não existe.

Dessa forma, se existe um Capeta, seria injustiça da parte de Deus que ele pudesse controlar a mente dos seres puros, corrompendo-os... Acho que faz mais lógica, além de estar mais de acordo com o que vemos na Natureza e na psicologia humana, considerarmos que o mal existe na alma de cada um de nós, e que é somente lá, precisamente lá, que precisamos fazer uso desta espada de que Cristo falou...

Para cortar a trave que obstruí nosso próprio coração. Para que nossa luz de amor transborde, e englobe os irmãos a nossa volta. Para que evangelizemos realmente uma boa nova, uma notícia de uma nova era, de uma nova sociedade, uma nova espiritualidade, uma nova religião... Assim, quem sabe, também poderemos ler, dentro de nossa alma, conectada a Alma do Mundo: “também eu sou da raça dos deuses, também eu trago o Pai dentro de mim, também eu farei tudo aquilo que o Cristo realizou, e talvez até mais”. E nem sequer precisaremos de um livro para guardar tal Verdade.

Cristo salva, afinal, todos aqueles que o encontram dentro de si mesmos... Mas Cristo é apenas uma palavra. O que salva é a fé, e não há fé mais profunda do que a fé no Amor. Pense nisso meu amigo, meu irmão. Pense, e reflita esta boa nova adiante!

***

[1] Maiores detalhes na série A roda dos deuses (esta teoria não é minha, mas de Mircea Eliade, um dos maiores especialistas em mitologia do séc. XX).

[2] Na mitologia Iorubá, talvez a de maior influência no Brasil, Olorun ou Olodumare é o criador do universo e mora no Orun (Céu). Embora reconhecido como Ser Supremo, não existe um culto ou templo que lhe é dedicado exclusivamente. Os orixás são os seus representantes em Aiye (Terra).

[3] Michel de Montaigne dá sua opinião, bem mais embasada do que a minha, nesta série de Reflexões sobre o sexo.

***

Crédito das imagens: [topo] Mark Keathley (Dance of Grace); [ao longo] Stephen Frink/Science Faction/Corbis

 

Fonte: O Textos para Reflexão é um blog que fala sobre espiritualidade, filosofia, ciência e religião. Autoria do escritor Rafael Arrais (raph.com.br)

***

» Veja mais posts do Textos para Reflexão no Universalistas

» Veja também nossa página no Facebook

20 de nov de 2012

UMBANDA - CAMPANHA PRESERVE O MAR


O Blog dos Universalistas apoia esta iniciativa louvável e reflexiva!

Nesta Campanha Preserve o Mar, o Dirigente Umbandista e Amigo Géro Maita traz seus esclarecimentos.



18 de nov de 2012

7 CHAKRAS POR WAGNER BORGES


Excelente explicação dos CHAKRAS através do Professor Wagner Borges do IPPB. É um estudioso das religiões orientais (Hinduismo, Budismo e outras) e espiritualistas. O termo chakra vem do Sanscrito e significa "roda de luz". Em algumas doutrinas (como o Espiritismo por exemplo) é conhecida como: Campos de Força. Segundo o professor cada chakra é ligado a uma Glândula do organismo. Exemplo: Glandula Pineal ligado ao Chakra (ou Campo de Força) Coronário.

Vale a pena assistirem ao vídeo!


13 de out de 2012

HINÁRIO LUTERANO


Hino 247 do Hinário Luterano que fala sobre a Bíblia.

Igreja Evangélica Luterana do Brasil - IELB.





12 de out de 2012

12 DE OUTUBRO - DIA DE NOSSA SENHORA APARECIDA


Nossa homenagem à Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida.

Música de Roberto Carlos.




23 de set de 2012

UMBANDISTA ALEXANDRE CUMINO NO UNILUX




Alexandre Cumino, Líder Umbandista, participando do 17o. Fórum Inter-Religioso Universalista, e explica o que é, e sobre o surgimento da UMBANDA, uma RELIGIÃO BRASILEIRA.

UNILUX FÓRUM INTER-RELIGIOSO UNIVERSALISTA, se constitui em uma grandiosa confraternização inter-religiosa que está sendo efetuada no intuito de agrupar em um mesmo espaço várias tradições religiosas, filosóficas e científicas, todas elas ligadas por um mesmo propósito de união, fraternidade, igualdade e respeito de ideias e de conceitos.



7 de set de 2012

TRAILER DO FILME: E A VIDA CONTINUA...


Amigos,

Dia 14 de Setembro de 2012 (Sexta-Feira) estréia nacional do Filme: E A VIDA CONTINUA...baseado na obra de Chico Xavier pelo Espírito André Luiz.

Assista ao trailer abaixo, e agradeceríamos se pudessem divulgar este grande filme; que trata de Família, Espiritualidade, reflexão, sofrimentos passageiros e alegrias eternas através da Caridade e Amor ao Próximo apregoado por JESUS.





30 de ago de 2012

BELO EXEMPLO DE RELIGIOSIDADE E RESPEITO DOS JOVENS

GEAMA - Religião e Juventude - Católicos, Evangélicos e Espíritas no Caminho com Cristo

Belo exemplo de religiosidade e respeito inter religioso, entre estes jovens católicos, protestantes e espíritas.




19 de ago de 2012

PADRE FÁBIO DE MELO E EVANGÉLICA ANA PAULA VALADÃO JUNTOS!


Padre Fábio de Melo e Cantora Evangélica Ana Paula Valadão em um encontro nos bastidores da Rede TV.

Que encontro respeitoso, pacífico e feliz! Este é o futuro do Cristianismo, o respeito nas diferenças, e a Unidade em Jesus Cristo.





13 de ago de 2012

PODCAST SINTONIA




0 Podcast Sintonia é uma iniciativa humanizadora que visa divulgar o espiritismo de forma interativa. Ouça o que temos a dizer, talvez lhe ajude:



01 - Episódio 1 - Começar é Preciso - 1ª Temporada - (ouvir) | (salvar)

02 - Episódio 2 - Falando sobre Allan Kardec I - 1ª Temporada - (ouvir) | (salvar)

03 - Episódio 3 - Falando sobre Allan Kardec II - 1ª Temporada - (ouvir) | (salvar)

04 - Episódio 4 - Falando sobre Allan Kardec III - 1ª Temporada - (ouvir) | (salvar)

05 - Episódio 5 - O que caracteriza o Espírita - 1ª Temporada - (ouvir) | (salvar)

06 - Episódio 6 - O que se faz numa Casa Espírita? - 1ª Temporada - (ouvir) | (salvar)




Em breve mais episódios no site da Humanizar Campo Grande/MS


7 de ago de 2012

DIÁLOGO INTER RELIGIOSO - RABINO MICHEL SCHLESINGER


Paz, diálogo e unificação no Amor. Diversos religiosos juntos, se respeitando. Isso é UNILUX.

Agradecimentos do Grupo UNILUX ao Rabino Michel Schlesinger representante do Judaismo no 17º Seminário UNILUX Fórum Inter-Religioso Universalista - As Religiões e a Paz no Mundo. A eles meu eterno Amor e Gratidão. Com Amor pela humanidade.

Produzido por Sergio Carvalho - Viajante das Estrelas



7 de jul de 2012

MÉDIUM DE RAMATÍS FALA SOBRE A UMBANDA

Primeira parte da entrevista de Norberto Peixoto no programa "Ramatís - Uma Proposta de Luz", concedida aos irmãos Sidnei Carvalho e Zanarotti.
Programa exibido em 05/05/2012.






24 de jun de 2012

ENCONTRO: JUDEU E MUÇULMANO


O que será que acontecerá neste encontro entre o Judeu e o Muçulmano em um debate na Universidade Rio Branco?


Preparem-se, são imagens muito fortes!!!



Depois assistam a este Making Off.



Muita Paz! Shalom! Salaam!

11 de jun de 2012

CENTENÁRIO REVERENDO ERINTHOS BAPTISTA DE CARVALHO


Dedicamos este lindo Hino ao Reverendo Erinthos Baptista de Carvalho, nascido em Bauru-SP e Pastor da Igreja Presbiteriana Independente, que completaria em 12 de junho, 100 anos, se estivesse vivo na carne, pois em espírito está vivo com Jesus.



O Hino chama-se Graças Dou por Esta Vida, cantado pelo Coral da Igreja Luterana de Santa Maria.

Nosso respeito, carinho e homenagem a toda nossa família, principalmente aos filhos, irmãos e netos do Rev. Erinthos.




Deus abençoe a todos!




9 de jun de 2012

EVANGÉLICOS QUE AMAM E CANTAM - MARIA


Cantora Gospel Fernanda Brum, traz esta linda canção sobre Maria de Nazaré.




VISÃO ESPÍRITA - OS ANIMAIS TEM ALMA?


Programa Transição entrevista o Sr. Marcel Benedeti, veterinário e espírita, que esclarece diversos pontos sobre os animais no mundo espiritual.

Animais tem alma? Animais evoluem? Por que os animais sofrem? Animais reencarnam?




7 de jun de 2012

CORPUS CHRISTI





27 de mai de 2012

JUDAÍSMO E BUDISMO DIALOGANDO EM PAZ


Diálogos de paz!
Moré Ventura (Judaísmo) e o Reverendo Kazuya Nagashima e Maria Hiromi (Budismo Risho Kossei kai).




21 de mai de 2012

REV. CHRISTIAN LEPELLETIER E A IGREJA DA UNIFICAÇÃO


Reverendo Christian Lepelletier, um dos pilares do Universalismo, e do Diálogo Inter Religioso mundialmente falando. Um dos mais atuantes trabalhadores de UNILUX (Fórum Inter Religioso Universalista), muito respeitado, e sempre aberto ao diálogo, enfim um verdadeiro homem de paz.
Membro do Movimento da Unificação atuando na Federação para a Paz Universal, promovendo a reconciliação e a cooperação entre as religiões, Conselheiro da Federação das Famílias para a Unificação e Paz Mundial, preparando os noivos para o Matrimônio Sagrado Eterno, casado com Hiroko (nascida no Japão) temos dois filhos nascidos em Taiwan, aonde moramos treze (13) anos, também esteve três anos nos EUA.

Conheçam mais sobre a Igreja da Unificação, com respostas do próprio Reverendo Christian.

Boa leitura!
Blog dos Universalistas


1 - Reverendo Christian, quando e onde surgiu a Igreja da Unificação?
R: Foi em Seul, na Coréia do Sul, que a Associação do Espírito Santo para a Unificação do Cristianismo Mundial mais conhecida como Igreja de Unificação foi oficialmente fundada no dia 1° de maio de 1954.

2 - Quem é o Reverendo Moon?
R: Sun Myung Moon nasceu na Coreia em 1920, em uma família camponesa convertida ao cristianismo. Desde criança revelou um caráter verdadeiramente excepcional.
Ainda muito jovem, percorreu as igrejas da Coreia, interrogando os padres e os pastores sobre as verdades bíblicas e universais. Mas ele não estava satisfeito com as respostas que as igrejas estabelecidas lhes davam e nem com as filosofias e as religiões existentes.
Com a idade de 16 anos teve uma visão na qual Jesus lhe apareceu, enquanto orava na montanha, numa manhã do domingo de Páscoa. Jesus explicou-lhe que, originalmente Deus O tinha enviado para salvar todos os homens, mas que a sua missão na Terra tinha ficado incompleta devido aos seus contemporâneos não O terem recebido. De agora em diante era a ele, Sun Myung Moon, que incumbia para completar a sua missão inacabada. Diante de uma responsabilidade tão pesada, ele havia que hesitar, mas Sun Myung Moon acabou aceitando.
E foi ao cabo de 9 anos de oração, de jejum, de estudo e de luta espiritual intensa, sozinho face a face com um mundo hostil e ignorante da sua missão, que Sun Myung Moon conseguiu o conjunto dos elementos dos Princípios Divinos e, com eles, a resposta às questões fundamentais que nunca tinham sido resolvidas até então.
Sun Myung Moon com 19 anos, foi para o Japão prosseguir os estudos de engenharia na Universidade de Waseda. A experiência do Japão permitiu a Sun Myung Moon, sobretudo, alargar o seu campo de visão do mundo, de aprofundar a compreensão dos problemas encontrados pelos homens de todos os países e de comparar os Princípios que descobrira, com o conhecimento científico dos tempos modernos.
Depois de passar alguns meses na Coreia do Sul, ele estabeleceu-se em Pyongyang, capital da Coreia do norte, onde o regime comunista tinha acabo de se implantar. Muitos cristãos desta época se reuniam à volta de Sun Myung Moon, na altura em que principiava a perseguição dirigida pelos comunistas contra os grupos religiosos. Depois do tempo na prisão, ele começou a pregar e obteve um sucesso tal que suscitou a inveja das igrejas estabelecidas. Alguns cristãos chegaram ao ponto de denunciá-lo às autoridades comunistas e, então voltou a ser preso a 22 de fevereiro de 1948.
No dia 14 de outubro de 1950, Sun Myung Moon foi libertado do campo de Hung Nam pelas forças da ONU. Após um desvio por Pyongyang onde reencontrou seus discípulos, dirigiu-se para o sul até a cidade de Pusan onde se fixou. Foi também nesta época que ele esquematizou definitivamente os ensinamentos do Princípio Divino. Durante o verão de 1951, o fundador da Igreja de Unificação construiu com suas próprias mãos um abrigo com barro e caixas de ração do exército americano, nos flancos de uma colina de Pusan. Esta humilde habitação servia-lhe de abrigo e ao mesmo tempo como centro de ensino do Princípio Divino.
A maioria dos membros da Igreja da Unificação acreditam que o Reverendo Moon foi escolhido por Deus e ungido por Jesus como herdeiro e sucessor da missão de Messias ou Cristo. Em 1960 realizou pela primeira vez na historia a Cerimônia de Casamento Sagrado, as “Bodas do Cordeiro” mencionadas no livro da Apocalipse, com sua noiva Sra Hak Ja Han, assim estabelecendo o modelo de Verdadeiro Casal, restaurando a falha de Adão e Eva, e abrindo o caminho de Verdadeiros Pais para toda a humanidade.

3 - A Igreja oferece cursos ou alguma metodologia de ensino para o fiel que está interessado em estudar os livros sagrados?
R: A teologia do Movimento da Unificação é baseada no livro do Princípio Divino. A Igreja oferece palestras de apresentação do Princípio Divino todos os domingos, também seminários de final semana no sítio, além de retiros de sete dias.
Slides de introdução ao Princípio Divino:
http://www.slideshare.net/chrislepel/introduo-princpio-divino
Introdução do Princípio Divino no Youtube:
http://www.youtube.com/watch?v=OfpD9w4O8qk&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=kNcm8topNn4&feature=BFa&list=UU0W9M3nDGB6TVm1zA-I4QIw&lf=plcp
Livro do Princípio Divino:
http://www.familias.org.br/principio-divino.html
Além de assistir às palestras e de participar dos Cultos do domingo e estudar a Palavra de Deus. Os fiéis são encorajados de participar de um pequeno grupo e contribuir tempo, talento e contribuições desenvolvendo um sentimento de pertence e a capacidade de amar afim de que no final de nossa vida, possamos dizer, nós conseguimos herdar o Verdadeiro Amor de Deus, para que todas as pessoas possam crescer, evoluir à medida que ela progride ao longo da vida. As escrituras sagradas originais são em língua coreana.


4 - Por que o nome de “Unificação”?
R: O fundador Reverendo Moon abriu o caminho da Unificação da mente (espírito) e do corpo do individuo (ser humano) centralizado em Deus Criador, fonte de Vida, Amor e Linhagem. Abriu o caminho da Unificação (harmonia) do casal centralizado em Deus, a família unificada é a base de uma Comunidade, Sociedade e Mundo Unificado de Paz e Harmonia centralizado em Deus.

5 - Qual a importância do diálogo inter religioso?
R: O dialogo inter-religioso é o primeiro passo para a reconciliação e a cooperação entre as religiões e pré-requisito para a Paz Mundial. De um lado, os lideres religiosos tem a responsabilidade de construir a Harmonia Inter-religiosa, representando a Consciência (Mente) da sociedade e de outro lado os lideres religiosos tem a responsabilidade de direcionar o Governo representando o Corpo da sociedade.
A Igreja da Unificação iniciou e patrocinou a publicação das Escrituras Mundiais, um volume que reúne os valores universais das religiões do mundo, ajudando a superar as barreiras entre as religiões, mostrando os valores compartilhados, uma fonte universal comum e que as diferenças que historicamente dividiu as religiões são pequenas.
O Movimento da Unificação criou o Serviço Inter-religioso da Juventude fornecendo aos jovens de diversas culturas e religiões oportunidades de serviço que permitem de quebrar as barreiras, praticar o altruísmo, facilitar a amizade e construir uma comunidade inter-religiosa, compartilhar a espiritualidade e as tradições religiosas com os outros e aprender sobre os vários caminhos e características de construção da cultura da Paz.
Em 18 de agosto de 2000, o Rev. Sun Myung Moon proferiu um discurso na Sede da ONU chamando para a renovação da ONU, enfatizando que um mundo de paz poderá ser realizado somente quando os líderes religiosos mundiais trabalharão cooperativamente e respeitosamente com os líderes nacionais. Sérias considerações deveriam ser dadas para formar uma assembleia religiosa ou um conselho de representantes religiosos dentro da estrutura da ONU.

Conheça mais sobre a Igreja da Unificação nos sites abaixo:



20 de mai de 2012

JESUS CRISTO SEGUNDO O ISLAMISMO


Programa "As chaves do Paraíso" fala sobre Jesus Cristo, o Profeta para os Muçulmanos.




13 de mai de 2012

ORAÇÃO DOS PRETOS VELHOS


13 de maio comemora-se o Dia dos Pretos Velhos.


Vídeo extraído do CEU ESPERANÇA, link: http://ceuesperanca.blogspot.com.br/





MARIA DE NAZARÉ - FELIZ DIA DAS MÃES


O Blog dos Universalistas parabeniza todas as mães, desejando muito amor, alegria e felicidades.

Por falar em mães, uma homenagem a grande Mãe do Mestre Jesus: Maria de Nazaré!

Aproveitando também o dia 13 de maio em que comemoramos o dia de Nossa Senhora de Fátima.




10 de mai de 2012

ARTIGO DE MORÉ VENTURA

Deus ou deus? Qual é o seu?


“Ontem fui à academia fazer ginástica, quando uma mulher me ofendeu e me amaldiçoou pelo fato de minha religião, o judaísmo, não incluir a figura de Jesus como Deus, filho de Deus e Messias, dizendo que por causa disso o Criador, o qual cultuo me odiava e que eu herdaria as agruras e os tormentos indizíveis do inferno eterno.”

Moré, o que você responderia a esta mulher?

-Ontem a noite um amigo do Face me mandou esta pergunta, e como um bom judeu, vou responder sua pergunta com exatamente outras três perguntas:

Cara irmã – Tomo a liberdade de te chamar assim, pois de acordo com a visão religiosa fraterna na qual acredito, somos todos filhos do mesmo Deus e, portanto, irmãos, (mesmo que você insista no contrário, ou talvez ache normal imaginar seus irmãos queimando nas labaredas do inferno).

Quero te fazer três perguntas sobre as palavras que você endereçou ao nosso irmão na academia, (Alias, um lugar desaconselhável para alguém com seu aparente nível de zelo religioso):

1-Você realmente acredita que Deus, o Compreensível, o Piedoso, o Sábio, que é a Fonte de todo o Amor e Bondade existentes no mundo, que conhece as limitações de cada ser humano e a diversidade das culturas vai mandar alguém para o inferno eterno só por que enquanto o servia, chamava-o de um nome ou de um número “diferente” do que Ele supostamente consideraria ideal?

2-Você realmente acredita que o Piedoso e Bondoso Deus mandaria seres humanos que respeitam seus pais, irmãos e amigos, que praticam a caridade, que tratam os outros humildemente e que vivem na fé para virarem churrasco de um rodízio sem fim só por que o cultuaram da forma na qual foram educados desde sua infância?

3-Você realmente acredita, minha zelosa irmã, que Nosso Humilde Pai e Criador enviaria dois terços da humanidade, ou seja, bilhões e bilhões de almas, ao tormento e à tortura eterna, demonstrando desta forma, menos compreensão do que uma psicóloga, menos piedade do que uma simples criança e menos amor do que um simples pai?

Se suas respostas forem positivas, minha irmã, recomendo lhe que mude em suas preces o nome do deus o qual cultua, pois neste caso ele deve começar com a letra “d” minúscula, e não com a maiúscula, por se tratar de um nome Impróprio.

Alias, não sei se isto também vai desagradar o seu zelo,cara irmã, mas preciso lhe informar mais uma coisa: Para nós judeus, só existe um Deus, o Todo Poderoso, Onisciênte, Onipresente, Piedoso e Compreensível Pai de toda a humanidade, que com certeza não é o mesmo que você mostrou cultuar!

Viva o diálogo inter religioso, Viva a cultura de Paz!
Religião sem amor e compreensão – seja La qual for – Não é religião!
Judaismo é atitude! More Ventura!


Amigos, segue o link da Fonte deste artigo, acessem e vejam também outras ótimas matérias e vídeos.


8 de mai de 2012

MALDITO BENEDITO (parte 2)





« continuando da parte 1


Bruma de Ouro, o Ocidente ilumina

A janela. O assíduo manuscrito

Aguarda, já carregado de infinito.

Alguém constrói a Deus na penumbra.

Um homem engendra a Deus. É um judeu

De olhos tristes e pele pálida;

O tempo o leva como leva o rio

Uma folha que desce pelas águas.

Não importa. O feiticeiro insiste em esculpir

A Deus com geometria delicada;

De sua enfermidade, de seu nada,

Segue erigindo a Deus com a palavra.

O amor mais pródigo lhe foi outorgado,

O amor que não espera ser amado.


Baruch Spinoza, poema de Jorge Luis Borges (tradução de Rafael Arrais).


Uma suave cabeça pensativa


Se Descartes havia separado mente e corpo um substâncias distintas, esta material, a primeira espiritual, Espinosa foi mais além: para o pensador holandês, só poderia haver uma única substância, pois que se houvessem duas, ambas deveriam necessariamente ser o resultado de uma substância ainda anterior. Num brilhante encadeamento de causa e efeito, chegou a “substância que não poderia criar a si mesma”, sendo ela, portanto, incriada e eterna, aquela que se opõe ao nada (afinal, existe algo). Portanto, mente e corpo, e todos os componentes do Cosmos, nada mais eram do que irradiações da substância, que era o próprio Deus. Espinosa não cria que as coisas eram apenas materiais ou espirituais, mas que eram materiais e espirituais, mundanas e divinas, ao mesmo tempo.


Com toda sua filosofia edificada no próprio Deus, Espinosa terminou por ser o grande reformador do pensamento ocidental, o grande “destruidor da autoridade eclesiástica”, não porque fosse um “matador de deuses”, conforme Nietzsche, mas porque substituíra as interpretações bíblicas de Deus por uma ainda mais profunda, baseada apenas na pura lógica filosófica. Quando Nietzsche proclamou que o deus bíblico estava morto, foi porque Espinosa já o havia retirado de seu pedestal há muito tempo... Caíra um deus semelhante aos homens, e surgira um Deus cósmico, irradiador de todas as partículas e todas as galáxias do universo.


A filosofia de Espinosa, entretanto, não era para qualquer um. Era preciso uma certa abertura da mente, um certo distanciamento das paixões embutidas em crenças e descrenças, para que pudesse ser compreendida em toda sua profundidade. Apesar de “Ética” ter sido sua obra prima, as bases lógicas que a sustentam já estavam prontas desde sua juventude... Porque então Espinosa somente entregou seu livro para os amigos publicarem já nos últimos dias de vida, quando certamente já pressentia a própria morte? Ora, é que Espinosa nunca quis ser nenhum revolucionário, e em realidade sabia muito bem que seu sistema filosófico poderia, e provavelmente causaria uma revolução no mundo ocidental. E ele estava certo.


Ao descrever Deus como uma força cósmica, impessoal e sem características humanas, Espinosa não estava sendo completamente original. Sua premissa já era conhecida de místicos orientais e até mesmo da cabala judaica, além de conter referências claras a filosofia estoica e, em menor escala, ao atomismo das escolas gregas. A sua forma “geométrica” de descrição da própria filosofia, sem dúvida influência de Descartes, é que terminou por tornar a “Ética” uma obra prima tanto da filosofia quanto da espiritualidade humana... E, como toda obra desse porte, não escapa dos grandes paradoxos:


O bem e o mal

Para Espinosa o bem e o mal eram conceitos relativos às sociedades humanas, e não fazia sentido crer em um deus que observa e pune os pecados alheios. Ao mesmo tempo, entretanto, a própria busca do conhecimento de Deus era uma virtude, e os sábios que a empreendiam agiam naturalmente no bem, e afastavam automaticamente o mal, na medida da sabedoria de cada um.


Do determinismo

Em sua filosofia constatamos que a grande maioria dos homens e mulheres são guiados por desejos provenientes das paixões da alma, de modo que quase ninguém consegue ser efetivamente livre, e tudo parece estar determinado pelo eterno movimento das substâncias... Por outro lado, existiam alguns poucos que conseguiam olhar para dentro de si próprios e identificar ou até mesmo compreender tais paixões. Do autoconhecimento dos seres, em maior ou menor grau, surgia a liberdade em grau correspondente. A atividade mais nobre de um ser seria, portanto, buscar a compreensão do próprio Deus, pois no fundo somos uma forma do Cosmos compreender a si mesmo.


Do deísmo

Espinosa negava totalmente que as verdades acerca da criação pudessem ser reveladas, como através de santas tábuas ou inspirações divinas. Por isso foi muitas vezes considerado um líder deísta. Mas, sob outro ponto de vista, o fato de todos sermos formados pela irradiação da substância divina, e termos uma conexão direta com a eternidade, nos faz automaticamente receptáculos diretos do movimento de Deus. Talvez não fosse possível que Deus se revelasse diretamente a alguns ditos profetas, um movimento em nossa direção; Mas era perfeitamente possível que cada um de nós compreendesse parte da fagulha divina que trazemos, todos nós, num movimento em direção ao infinito.


Do panteísmo

Se por um lado os críticos terão razão em dizer que a filosofia de Espinosa faz da Natureza um novo Deus, e a engrandece, por outro estarão equivocados em afirmar que Espinosa reduziu Deus a meros eventos naturais, às coisas que compõe o Cosmos... Assim como Epicteto se referia a um “Zeus, Deus dos deuses”, Espinosa deixou claro que todos os materiais que compõe o mundo, sejam os corpos e partículas materiais, sejam os mentais, são todos irradiações da substância divina. Tudo é Deus, de modo que não faria sentido tentar encontrar a Deus apenas em catedrais grandiosas ou através da mediação dos eclesiásticos, qualquer pedra ou galho partido seria tão divino quanto tudo o mais. É somente através da razão, uma razão conectada ao Cosmos, de acordo com o logos grego, que poderemos apreciar o contato com Deus, estejamos onde estivermos.


Do ateísmo

Se por um lado Espinosa foi acusado de ateísmo em sua época, por outro qualquer um com certo discernimento compreenderá que a acusação se referia ao fato de ele ter contrariado diretamente os dogmas das doutrinas religiosas vigentes, particularmente negando milagres e a autoridade dos eclesiásticos. Mesmo sua crítica a Bíblia se focava exclusivamente na interpretação literal, e ainda que negasse os milagres enquanto eventos sobrenaturais, o próprio Espinosa buscou explicações naturais para alguns deles, como, por exemplo, o da “divisão” do Mar Vermelho, que parecia a Espinosa que fosse um evento natural, explicado pelo vento.

O grande pensador holandês não poderia, entretanto, ser menos ateu no sentido de negação a priori da existência de um Criador. Não só toda sua filosofia se sustenta em Deus, o próprio sentido de virtude e de ética que sempre defendeu consistia em, a todo momento, saber diferenciar as paixões mundanas dos desígnios sagrados da Natureza, e somente assim, seguindo a Natureza e não as próprias paixões, ser verdadeiramente livre e feliz.


Na preposição final da “Ética”, Espinosa inaugura quase que uma nova religião filosófica universal: “o estado de bênção não é a recompensa da virtude, mas a própria virtude; também não usufruímos desse estado por restringir nossas luxúrias; ao contrário, justamente porque usufruímos dele é que somos capazes de restringir nossas paixões”. A salvação, apesar de árdua e rara, não precisava ser postergada para depois da morte. A filosofia de Espinosa era uma reflexão sobre a vida, e de como, talvez um dia, alcançar a salvação dentro deste mundo – um mundo tão divino quanto mundano.


O monumento feito em homenagem a Espinosa, em Haia (na Holanda) foi assim comentado por Ernest Renan em 1882:


"Maldição sobre o passante que insultar essa suave cabeça pensativa. Será punido como todas as almas vulgares são punidas – pela sua própria vulgaridade e pela incapacidade de conceber o que é divino. Este homem, do seu pedestal de granito, apontará a todos o caminho da bem-aventurança por ele encontrado; e por todos os tempos o homem culto que por aqui passar dirá em seu coração: Foi quem teve a mais profunda visão de Deus".


Maldito Benedito Espinosa! Maldito, na boca dos de alma pequena, somente Benedito nas demais...


***


Crédito da imagem: Wikipedia (estátua de Espinosa em Haia).



 


Fonte: O Textos para Reflexão é um blog que fala sobre espiritualidade, filosofia, ciência e religião. Autoria do escritor Rafael Arrais (raph.com.br)


***


» Veja mais posts do Textos para Reflexão no Universalistas


» Veja também nossa página no Facebook


12 de abr de 2012

BEBÊ ANENCÉFALO E ABORTAMENTO



Um ano, oito meses e 12 dias. Esse foi o período de vida de Marcela de Jesus Ferreira (foto acima), o bebê que nasceu com anencefalia (sem cérebro), em Patrocínio Paulista, na região de Ribeirão Preto-SP. "Estou tranqüila, não triste, pois eu cuidei dela até quando Deus quis", comentou a católica Cacilda, de 37 anos. Ela, mesmo diante do diagnóstico de anencefalia, no quinto mês de gravidez, sabendo que eram poucas as possibilidades de sobrevivência do bebê, decidiu não interromper a gestação.
Marcela foi enterrada vestindo uma camiseta com a imagem de Nossa Senhora, calça jeans e sapatinhos. Católica fervorosa, Cacilda deu o nome de Marcela à filha em homenagem ao padre Marcelo Rossi. E o nome Jesus foi incorporado ao nome pois a mãe dizia que a filha pertencia a Ele. Para sobreviver, Marcela usava um capacete de oxigênio (raramente ficava sem ele) e era alimentada por sonda, à base de produtos líquidos (sucos, leite e papinhas). Chegou a pesar quase 15 quilos.


Texto na íntegra no site : http://www.estadao.com.br/noticias/geral,menina-com-anencefalia-morre-apos-1-ano-e-8-meses,216314,0.htm







9 de abr de 2012

JUDEUS: "IRANIANOS, NÓS AMAMOS VOCÊS"





Enviado por mosaiconatv em 03/04/2012

Uma iniciativa popular para tentar mostrar aos iranianos que a maioria dos israelenses desejam uma paz duradoura com o Irã e que não tem motivos para odiar eles. Mais da metade da população israelense que está contra qualquer possibilidade de ataque preventivo de Israel no Irã, resolveu se manifestar antes que seja tarde demais.

Em uma campanha que foi difundida pela internet, diversos israelenses foram fotografados e filmados pelas ruas do país com a seguinte mensagem: "Iranianos, nós não iremos bombardear o seu país nunca, nós amamos vocês." Tomará que a mensagem ajude a fazer com que alguns iranianos entendam que há pessoas em Israel que não odeiam eles.

Mosaico Online, nosso quadro com os vídeos judaicos mais interessantes da internet.

É o Mosaico na TV, o programa a mais tempo no ar da televisão.

Horários:
Domingo às 22h - Canal 13 da NET
Quarta às 21h - Canal 9 da NET, Canais 72 ou 99 da TVA ou 186 da TVA Digital

5 de abr de 2012

MALDITO BENEDITO (parte 1)





Os Senhores do Mahamad [Conselho da Sinagoga] fazem saber a Vosmecês: como há dias que tendo notícia das más opiniões e obras de Baruch de Spinoza procuraram, por diferentes caminhos e promessas, retirá-lo de seus maus caminhos, e não podendo remediá-lo, antes pelo contrário, tendo cada dia maiores notícias das horrendas heresias que cometia e ensinava, e das monstruosas ações que praticava, tendo disto muitas testemunhas fidedignas que deporão e testemunharão tudo em presença do dito Spinoza, coisas de que ele ficou convencido, o qual tudo examinado em presença dos senhores Hahamim [conselheiros], deliberaram com seu parecer que o dito Spinoza seja heremizado [excluído] e afastado da nação de Israel como de fato o heremizaram com o Herem [anátema] seguinte:


Com a sentença dos Anjos e dos Santos, com o consentimento do Deus Bendito e com o consentimento de toda esta Congregação, diante destes santos Livros, nós heremizamos, expulsamos, amaldiçoamos e esconjuramos Baruch de Spinoza [...] Maldito seja de dia e maldito seja de noite, maldito seja em seu deitar, maldito seja em seu levantar, maldito seja em seu sair, e maldito seja em seu entrar [...] E que Adonai [Soberano Senhor] apague o seu nome de sob os céus, e que Adonai o afaste, para sua desgraça, de todas as tribos de Israel, com todas as maldições do firmamento escritas no Livro desta Lei. E vós, os dedicados a Adonai, que Deus vos conserve todos vivos. Advertindo que ninguém lhe pode falar bocalmente nem por escrito nem conceder-lhe nenhum favor, nem debaixo do mesmo teto estar com ele, nem a uma distância de menos de quatro côvados, nem ler Papel algum feito ou escrito por ele.


Herem – anátema – pronunciado contra Spinoza, em 27 de julho de 1656, quando tinha 23 anos.


O panteísmo ateu


Após ter sido excomungado do judaísmo, Baruch optou por usar a tradução de seu nome original (Baruch Spinoza) para o latim (Benedictus de Spinoza), ou na forma aportuguesada – Bento de Espinosa.


Espinosa é hoje reconhecidamente um dos grandes apóstolos do racionalismo, e um dos pensadores mais importantes da história ocidental. Entretanto, mesmo tal reconhecimento é ainda muito pouco perto de toda a revolução que seu pensamento provocou em sua época.


Em seu monumental “Iluminismo Radical” (Ed. Madras, tradução de Claudio Blanc), o professor de Princeton, Jonathan Israel, nos traz um panorama incrivelmente detalhado do que efetivamente ocorreu entre 1650 e 1750 na Europa, e de como a Filosofia, e principalmente as ideias de Espinosa, prepararam terreno para a Revolução Francesa, antes mesmo dos primeiros tiros terem sido disparados na Bastilha (trechos adaptados, retirados da obra):


“Já na década de 1740, Antonio Genovesi, um pensador do Iluminismo italiano, que nunca deixou de ser simpático ao cristianismo, examina todas as cinco tradições filosóficas que lutavam para dominar a vida intelectual europeia – o aristotelismo escolástico das escolas [que perdurava por séculos] e as quatro classes dos modernos:


O Cartesianismo merece um respeito considerável. Genovesi louvou Descartes por ter demolido o escolasticismo, usando a “dúvida” como um instrumento de investigação para superar o ceticismo, e por introduzir a “liberdade para filosofar”; e concorda que a alma humana é substância incorpórea, totalmente distinta da matéria. Entretanto, ele também acha que o Cartesianismo contém sérias falhas, sólidas percepções intuitivas imbuídas de erro, as quais levam em última instância ao “fanatismo” e à subversão da verdade cristã.


Haviam também os partidários do sistema leibniziano-wolffiano, idealistas e monistas, que lhe pareciam inofensivos; A seguir vinha o empirismo de Newton e Locke, que de acordo com Genovesi, não fornecia uma base adequada para a coexistência estável da razão e da fé.


A quarta categoria principal de modernos, e de longe a pior, eram os deístas radicais, os quais negam os Evangelhos e os milagres de Cristo, bem como rejeitam o absolutismo do “bem” e do “mal” e a imortalidade da alma. Segundo ele, o líder do deísmo moderno seria Espinosa.


Para Genovesi, nenhum dos sistemas filosóficos modernos trazia de maneira adequada o sentido do mundo: do Cartesianismo, florescera o Espinosismo, o pensamento leibniziano leva ao idealismo, e o Newtonismo, ao puro mecanicismo. O panteísmo ateu, avisa Genovesi, retorna aos pitagóricos e eleáticos da antiga Grécia e era a principal ameaça ao bem-estar da Itália [e de toda a Europa].


Como os espinosistas podiam ser derrotados em termos filosóficos? Genovesi admite que simplesmente não sabe. Talvez, no final, apenas a fé, o coração humano e a ação de um governo determinado podem repelir a ameaça.


Assim, a Filosofia pura aparentou estar falida, inclinada antes a confundir do que ajudar o homem a encontrar sua salvação. Nesse texto, escrito em italiano e dirigido a uma grande platéia, Genovesi mais uma vez cutucou Espinosa, porém sem citar seu nome, apenas aludindo a ele de modo sombrio e deixando clara sua apreensão com relação ao "filósofo mais ímpio e sangue frio do século passado"”.


Ora, se até hoje os ateus não são muito bem vistos na sociedade, como explicar a “blindagem” de Espinosa em meio a tantos ataques e acusações vindas das mais variadas frentes? Como poderia um homem simples, filho de mercadores, ter desenvolvido um sistema de pensamento tão profundo e aparentemente revolucionário de dentro dos cômodos da própria casa? Teria sido este “ímpio”, este “maldito”, sido auxiliado por forças demoníacas?


Não, não, Espinosa não acreditava no Diabo e tampouco em espíritos malignos a seduzir os desavisados... Mas no que ele cria, afinal? Sabe-se que muitas vezes são intitulados ateus aqueles que se voltam contra as doutrinas religiosas ditas “oficiais”. Espinosa cria na liberdade do pensamento, mas seria somente isso? Ou, no fim das contas, seria toda sua filosofia, o sistema que mudou o mundo ocidental, edificada tão somente em nada mais do que o próprio Deus?


» Na continuação, o pensamento de Espinosa


***


Crédito da imagem: Stefano Bianchetti/Corbis.



 


Fonte: O Textos para Reflexão é um blog que fala sobre espiritualidade, filosofia, ciência e religião. Autoria do escritor Rafael Arrais (raph.com.br)


***


» Veja mais posts do Textos para Reflexão no Universalistas


» Veja também nossa página no Facebook


25 de mar de 2012

SEJA MEU AMIGO PELA PAZ (Be my friend for peace)




24 de mar de 2012

SIDNEI CARVALHO FALA SOBRE A DOUTRINA ESPÍRITA


Sidnei Carvalho, trabalhador incansável da Doutrina Espírita, presidente do Centro Espírita Francisco de Assis na Vila Cisper (Zona Leste de SP). Participa de projetos em prol de ajudar e recuperar dependentes químicos e alcoólatras, além de dar apoio aos co-dependentes(familiares). Radialista da Rádio Boa Nova de Rádio (AM 1450 SP), tem programa na TV Aberta e na TV Mundo Maior que fala sobre Ramatís e sua proposta Universalista. Coordenador do UNILUX (em prol do respeito e entendimento entre as religiões, através do AMOR).



Foi a primeira pessoa que incentivou e divulgou o Blog dos Universalistas, através do Programa Chama Crística da Rádio Boa Nova. Juntamente com o apoio do querido amigo Dr. Adão Nonato de Oliveira.



Por estes e outros agradecimentos a ele, gostaríamos de trazer estes esclarecimentos respondidos pelo próprio Sidnei Carvalho, em forma de perguntas e respostas de questões básicas e profundas sobre o que é o Espiritismo.



Grande abraço Sidnei.


BLOG DOS UNIVERSALISTAS



1) Por que Allan Kardec é chamado de Codificador da Doutrina Espírita?

R: Porque foi ele que, após entrar em contato com os ensinamentos do Espíritos, transmitidos por médiuns de sua confiança, preparou os primeiros livros espíritas, formando a base da doutrina ao editar O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese, os Milagres e as Predições, que são as obras básicas da Doutrina Espírita.




2) Qual a diferença entre Espiritismo e Espiritualismo?
R: Espiritualismo é um termo utilizado de forma genérica para designar a crença em algo mais que a matéria. Espiritismo é o termo que designa os adeptos dos ensinamentos dos espíritos codificados por Allan Kardec, ou seja, todo espírita é espiritualista mas nem todo espiritualista é espírita. Os termos espírita e espiritismo foram cunhados por Allan Kardec em 1.857.




3) O Espiritismo é uma Doutrina Cristã? Por quê?
R: Sim, o Espiritismo pode ser considerado uma doutrina cristã, uma vez que Allan Kardec lastreou a moral espírita na moral do Cristo, e a Doutrina Espírita se propõe a esclarecer pontos que Jesus não desenvolveu devido ao nível científico quase nulo à sua época. Pode-se dizer que o Espiritismo é a Revivescência do Cristianismo.




4) O Espiritismo é criacionista ou evolucionista?
R: Totalmente evolucionista, uma vez que ensina que todos os espíritos são criados simples e ignorantes e por meio da reencarnação, ou seja, das vidas sucessivas, vai evoluindo até tornar-se um espírito puro como Jesus, Buda, Krisna, Moisés, etc.




5)O que é a Reencarnação? Podemos reencarnar em animais?
R: Reencarnação é a Lei que permite ao espírito tomar um novo corpo físico, após a morte física e voltar ao mundo da matéria para aprender, crescer, reparar erros e enganos e se aproximar cada vez mais da felicidade. É impossível ao homem reeencarnar em animais, uma vez que o espírito não retroage em suas conquistas.




6) Para aonde vamos após a morte?
R: Após a morte vamos para a condição que elegemos durante a vida. Se fomos pessoas boas, equilibradas, sem vícios, iremos para lugares bons na dimensão espiritual, se, ao contrário levarmos uma vida egoista, cheia de vícios e de maldades, iremos para locais de sofrimento na dimensão espiritual, porém, o espiritismo explica que os sofrimentos não são eternos, mas, tão logo o espirito, na dimensão espiritual se arrepender de suas faltas e se dispuser a repará-las, receberá a oportunidade de uma nova reeencarnação pois Deus é bom e misericordioso.




7) Como devemos compreender a frase de Allan Kardec: “Fora da Caridade não há salvação” ?
R: Jesus, em uma de suas parábolas, coloca a prática da caridade como paradigma para o espírito encontrar a felicidade e Allan Kardec cunhou o lema "Fora da Caridade não há Salvação" com base nos ensinamentos de Jesus que colocam o Amor em ação como rota certeira para alcançarmos a felicidade.




8)Haverá um sucessor para o Chico Xavier?
R: Não existe sucessor no espiritismo, cada um executa a sua tarefa, com suas características pessoais e particulares e Deus utiliza todos os homens de boa vontade no trabalho do bem como Bandeirantes da Luz auxiliando seus irmãos. Chico Xavier cumpriu a sua missão com maestria e deixou um rastro de luz para seguirmos sendo que outros virão trabalhar na vinha do Senhor, sem que necessariamente sejam sucessores de Chico.




9) O que é o Evangelho no Lar?



R: É o estudo do Evangelho de Jesus dentro de nossa casa, em conjunto com os nossos familiares. Escolhe-se um dia e hora fixos, para que os bons espíritos nos acompanhem, iniciamos com uma prece singela, pedindo a proteção para o estudo, depois lemos um trecho do Evangelho Segundo o Espiritismo ou outro livro que fale de amor, comentamos à luz dos ensinamentos espíritas, fazemos uma vibração (envio de energias aos que sofrem) a prece final e encerramos. Se quisermos podemos deixar um copo com àgua durante o estudo e os bons espíritos derramarão energias do bem na água para bebermos depois.




Muita Paz!




Muita Luz!




Sidnei Carvalho

23 de mar de 2012

A FINALIDADE DAS OFERENDAS NA UMBANDA

Mensagem de Baiano José Severino, canalizada por Gero Maita

Pergunta: Qual a finalidade das oferendas dentro do ritual Umbandista?
Resposta: “Sei que minha resposta vai desapontar a muitos irmãos e irmãs que direcionam sua mediunidade dentro da lei de Umbanda, mas em pleno século XXI fica inaceitável ainda acreditarmos que velas, frutas, panos e flores possam fazer o resultado acontecer por si só, sem a necessidade de uma reforma intima e uma fé balizada na proposta de Jesus em nossas vidas.

As oferendas em sua origem Africana diferem e muito do objetivo que hoje são direcionadas, lá temos o negro que devido a época em que se encontrava oferecia aos Orixás o que tinha de melhor dentro de sua casa. Tomemos como exemplo quando vamos receber visitas em nossa casa, sempre gostamos de oferecer o que temos de melhor e nesta localidade o negro oferecia o que não lhe faltava a mesa, ai vemos o fundamento da "comida" dentro do ritual Umbanda, originando a festa comemorativa do OLUBAJÉ.

Nos dias atuais com uma gama de informações que nos chegam através dos meios de comunicação como: Sites, mídia televisiva, livros de diversos autores etc. Ainda encontramos irmãos e irmãs sujando cachoeiras, praias, campos, matas etc. Levando a estes locais "comida" para conseguir sucesso financeiro, amor, saúde, paz e harmonia, dons que compete a cada um busca-los através do empenho e da atitude de progresso e isso não compete a este ou aquele Orixá cuja finalidade na natureza como essência divina é bem diferente do que infelizmente ainda presenciamos nas "casas de santo", "terreiros" e "santuários".

Santo não come meus filhos, por que não existe matéria carnal para isso! A ativação do elemento vegetal pode ser feita mentalmente através de uma prece com fé e devoção. Tomemos como exemplo se um de meus irmãos ou irmãs desejam fazer uma oferenda a Oxum em uma cachoeira, podem se dirigir a mesma.

Hoje cometem-se excessos em nome da Umbanda e os mesmos mais servem de "muleta vibratória" do que "fundamento doutrinário".

Não adianta nos dirigirmos a um ponto onde se concentra esta ou aquela força de Orixá, para sujarmos e poluirmos este santuário natural. O ato de oferendar a inicio impressiona pelas cores, formas e essências que compõem uma oferenda, mas vale lembrar que isso vai apodrecer com o tempo, gerando náuseas, asco e infelizmente críticas classificando a Umbanda como "manifestação de baixo espiritismo!"

Não temos intenção de ofender aqueles que acreditam que o sabonete e o Manjar para Yemanjá vai lhes trazer algo, isso é uma questão doutrinária em que muitos ainda necessitam desta "muleta" para desenvolverem sua fé e fortalecerem sua crença.

“Se, portanto, quando fordes depor vossa oferenda no altar, vos lembrardes de que o vosso irmão tem qualquer coisa contra vós, - deixai a vossa dádiva junto ao altar e ide, antes, reconciliar-vos com o vosso irmão; depois, então, voltai a oferecê-la” - (Mateus cap.V, v. 23 e 24.). Quando diz: Ide reconciliar-vos com o vosso irmão, antes de depordes a vossa oferenda no altar, Jesus ensina que o sacrifício mais agradável ao Senhor é o que o homem faça do seu próprio ressentimento; que, antes de se apresentar para ser por ele perdoado, precisa o homem haver perdoado e reparado o agravo que tenha feito a algum de seus irmãos. Só então a sua oferenda será bem aceita, porque virá de um coração limpo de todo e qualquer pensamento mau. Ele materializou o preceito, porque os judeus ofereciam sacrifícios materiais; cumpria--lhe conformar suas palavras aos usos ainda em voga.

O cristão não oferece dons materiais, pois que espiritualizou o sacrifício. Com isso, porém, o preceito ainda mais força ganha. Ele oferece sua alma a Deus e essa alma tem de ser purificada. Entrando no templo do Senhor, deve ele deixar fora todo sentimento de ódio e de animosidade, todo mau pensamento contra seu irmão. Só então os anjos levarão sua prece aos pés do Eterno. Eis aí o que ensina Jesus por estas palavras: "Deixai a vossa oferenda junto do altar e ide primeiro reconciliar-vos com o vosso irmão, se quiserdes ser agradável ao Senhor”.

A Umbanda meus irmãos e irmãs passa por um momento de espiritualização e religião sem espiritualização é só um amontoado de dogmas! “
- Baiano José Severino

Fonte: O Cruzeiro
Jornal gratuito distribuído eletronicamente - edição 03 - março de 2012

A POSTURA DO MÉDIUM EM 7 PASSOS

Mensagem de Pai Antônio das Almas, canalizada por Gero Maita
“Louve a Deus acima de qualquer coisa, envolvesse na força divina que esta dentro de você se deseja dividi-la com o seu semelhante e para isso não tem alarde, fantasia ou culto exterior, trata-se de um encontro com o que chamamos do eu interior.

Evite julgamentos precipitados, lembre-se que olhamos "o cisco no olho" de nosso irmão e nos esquecemos da "trave" que trazemos dentro do nosso, estamos em um mundo de regeneração meus filhos, falhas são normais na caminhada evolutiva de cada um e a paciência e o amor universal fazem seu papel nesta caminhada em se falando de irmandade com Deus.

Louve seu Orixá, primeiramente compreendendo que para fazer isso você não precisa sujar a natureza que é o sitio sagrado do mesmo, respeitando assim outros irmãos que não dividem com você a mesma fé.

Respeite as opções, sexuais e religiosas de seu próximo! Deus esta dentro de cada criatura que colocou na terra e ninguém é obrigado a pensar ou agir como você.

A Umbanda respeita todos sem distinção, portanto se ainda existe o preconceito dentro de você meu filho, algo de muito errado esta acontecendo em sua vida. Jesus curou, leprosos, prostitutas e nunca fez distinção, pois segundo as escritura fomos criados a imagem e semelhança de Deus.

Acenda sua vela, tome seu banho de ervas, faça sua oferenda ( respeitando o bom senso), cultive o hábito sadio do Evangelho no lar, mas nada disso vai adiantar se você não adotar uma nova postura dentro de si, as mudanças ocorrem de dentro para fora.

Qualquer religião que fique pautada em um amontoado de dogmas não é eficiente, por isso estude e inove e sua comunidade religiosa a forma com que você vem praticando a mesma. O médium que não se recicla é comparado ao catitu que ao fugir da manada se torna presa fácil aos predadores naturais.

Seja o exemplo daquilo que você prega! O pior engano é nos depararmos com lições mirabolantes na espiritualidade e médiuns invigilantes. Não dê passos maiores do que suas pernas podem aguentar.

Em qualquer fase de nossa trajetória na mediunidade, paute a mesma com os ensinamentos de Jesus e lembre-se que o Mestre escolheu homens simples do povo para cumprirem seus compromissos.

Que sua mediunidade meu filho seja como a luz do Sol, se recolhendo a noite para respeitar aqueles que ainda não podem com sua claridade, mas silenciosamente todas as manhãs anunciando uma nova etapa da vida!”
- Pai Antonio das Almas

Fonte: O Cruzeiro
Jornal gratuito distribuído eletronicamente - edição 03 - março de 2012

17 de mar de 2012

ALÉM DE "O SEGREDO"

Parte 1


Parte 2


Parte 3


Parte 4


Parte 5


10 de mar de 2012

O EVANGELHO DE JUDAS | O TRAIDOR OU O CONTRIBUIDOR?

Por: 
Ivan Padilla e Marcelo Musa Cavalleri 


O que levou o último dos apóstolos a trair Jesus? A resposta pode estar em manuscritos inéditos, que trazem a versão do traidor.

No quadro A Prisão de Cristo, de 1602, Michelangelo Caravaggio reproduz a cena bíblica em que Judas beija Jesus e o entrega aos romanos. 
Para ele, nunca houve perdão. Há quase 2 mil anos, ele vem sendo impiedosamente castigado. Em dezenas de países, a cada sábado de aleluia, Judas Iscariotes, encarnado num boneco grotesco, é vítima de espancamento em praça pública. Além de ter entregado aos carrascos seu mestre, Jesus, ele paga pelo que de pior tiver sido feito naquele ano. Assume as feições do político corrupto, do tirano estrangeiro, do delator, do jogador que fez o time perder. Judas virou até substantivo. Significa "traidor" em dicionários de português, espanhol, francês, inglês, alemão e italiano. Nem mesmo do todo-misericordioso ele ouviu uma palavra de misericórdia. "Ai daquele por quem o Filho do Homem será entregue", disse o próprio Jesus segundo o Evangelho de São Marcos.

Pela altura da Páscoa deste ano, no entanto, finalmente será conhecida a versão do criminoso. Pela primeira vez será publicado o texto de um manuscrito inédito, cuja autoria é atribuída ao próprio Judas. Identificado como o Evangelho de Judas, o texto integra a série de evangelhos apócrifos, cuja autenticidade não é reconhecida pela Igreja. Sua existência já era cogitada desde que Santo Irineu de Lyon, no século II, citou-o e condenou-o. Trata-se, portanto, de uma revelação arqueológica de valor ä incalculável. Depois de 1.600 anos, finalmente será lido um texto antes inacessível, capaz de lançar luzes sobre os primórdios do cristianismo, com uma visão completamente original da traição que teria levado Jesus à cruz.

De acordo com relatos de especialistas que tiveram acesso ao manuscrito, Judas afirma, em sua versão da história, que não traiu Jesus. A delação aos sacerdotes judeus teria sido, segundo o manuscrito, um desígnio divino para que o Filho de Deus sofresse o martírio e salvasse os homens. Judas também afirma, de acordo com os relatos, que não se enforcou depois, arrasado pela culpa. Teria sido perdoado por Jesus e orientado a se retirar para fazer exercícios espirituais no deserto. O que mais os manuscritos revelam não se sabe. Por enquanto, eles são mantidos em absoluto sigilo nas mãos da Fundação Maecenas, da Basiléia, na Suíça, enquanto são traduzidos do egípcio antigo (o copta) para o inglês, o francês e o alemão. Na verdade, os manuscritos nas mãos dos tradutores seriam uma versão em copta feita no século IV ou V do original grego do século II, possivelmente o texto mencionado por Santo Irineu.

A ÚLTIMA CEIA No célebre afresco de Leonardo Da Vinci, um saleiro aparece derrubado na mesa em frente a Judas. Trata-se de uma referência à superstição de que jogar sal é um sinal de má sorte. Abaixo, um ensaio para a obra

Como o Evangelho de Judas é muito posterior ao tempo em que os eventos teriam ocorrido, não se pode nem mesmo tentar buscar algo nele sobre a figura histórica de Judas. Hoje, o que se sabe sobre Judas está nos Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João e no Ato dos Apóstolos, um breve relato dos primeiros tempos da Igreja. É bem pouca coisa. Filho de Simão Iscariotes, Judas é sempre o último da lista dos 12 apóstolos citados pelos Evangelhos. A traição é situada no momento em que Jesus falava a seus discípulos no Getsêmani, ou Jardim das Oliveiras, fora dos muros de Jerusalém. No relato dos evangelistas, Judas chega acompanhado de uma multidão armada com paus e espadas. Ao se aproximar do mestre, beija-o na face. O gesto de amor é o sinal da traição. Os enviados dos sacerdotes judeus prendem Jesus e tem início o martírio. Em troca, o delator recebe 30 moedas de prata. Atormentado pela culpa, enforca-se em uma árvore. Com o dinheiro, os sacerdotes compram um terreno para instalar um cemitério.

Related Posts with Thumbnails