30 de nov de 2010

COMO DEVEMOS OFERENDAR NOSSOS ORIXÁS SEM AGREDIR A NATUREZA?

Texto de Géro Maita

Chegamos a mais um final de ano e no rito Umbandista as praias do litoral Paulista são tomadas por diversas tendas, centros ou terreiros de Umbanda num espetáculo de fé e amor a Mãe das águas salgadas YEMANJÁ.
Infelizmente nos dias de hoje com tanta informação sobre meio ambiente e pela necessidade de preservarmos o mesmo, encontramos logo após os festejos a Mãe Yemanjá as praias tomadas por um acumulo de lixo com sacos plásticos, garrafas, espinhos e demais elementos utilizados como ofertatório a um dos Orixas mais festejados a céu aberto no ritual umbandista.
Mas nos questionamos:
Se hoje lutamos dentro da Umbanda por um estudo teológico e doutrinário.
Por respeito de lideranças religiosas aos cultos sagrados praticamos na fé Umbandista
Pela separação do que é religião Umbandista e ditos "Pais e Mães de postes" e pelo atendimento raciocinado nos terreiro, por ainda não damos tanto valor preservação dos pontos de forças dos Sagrados Orixas?
É comum vermos não só em praias, mas em cachoeiras, estradas, pedreiras e demais pontos de forças dos Orixas uma verdadeira sujeira logo após os ritos ofertatórios aos mesmos.
Consciência religiosa vem também de dentro para fora do terreiro me se cada um fazer sua parte conseguiremos mais esta vitória.
Algumas dicas de preservação e oferendas inteligentes:
Não deixe vidros cortantes, ou louças nas oferendas: Além de serem dificeis de se decomporem na natureza, oferecem um grande risco aos que ali vão pisar depois, tanto para animais como para seres humanos, dê preferencia para elementos que se diluam rapidamente na natureza sem feri-la.
Use somente as pétalas as flores: Pois além de serem rapidamente consumidas pela natureza virando humos, não corremos o risco de com os espinhos contidos em seus galhos ferirem os pés de crianças e adultos que transitem pelas praias
Cuidado aonde acende sua vela: Tenha a cautela de recolhe-la após o rito e terminar de queima-la em seu altar, é triste presenciarmos a sujeira que isso deixa em alguns lugares e o risco de incêndio que pode causar
YEMANJÁ é uma energia, uma qualidade divina, ELA NÃO COME, NÃO BEBE, NÃO USA PERFUME nem tão pouco PENTEA OS CABELOS. Sou umbandista, respeito as oferendas, mas não podemos crer ainda que uma força da natureza PENTEIE OS CABELOS, BEBA CHAMPANHE OU COMA ALGUMA COISA, estes elementos "despachados" no mar somente poluem o mesmo, isso é mais uma atitude de consciência que devemos ter.
Sei que minhas palavras não serão compreendidas por todos, mas um culto a um Orixa dever ser repleto de amor, carinho, respeito doutrinário e fé, o elemento é mais fixador de energia vibratória do que religiosa.
E se ouvimos tanto falar que o "mundo de cá" é uma cópia do "mundo de lá", mentalize suas flores, doe seu amor incondicional a Yemanjá ou quaquer outro Orixa que isso chegará até ele de forma singela e sem agredir ao meio ambiente.
É preciso e chegado o momento de renovarmos nossos conceitos!

Rogando bênçãos a Mãe Yemanjá

Géro Maita - Sacerdote Umbandista
http://www.umbandadobem.com/

Postado por Centro Espiritualista de Umbanda Esperança
http://ceuesperanca.blogspot.com/


Um comentário:

Chandra Shamelah Gipsye disse...

BOA COLOCAÇÃO DO IRMÃO GÉRO MAITA. O OCIDENTE PODE APRENDER MUITO COM O ORIENTE...UM EXEMPLO DISSO SÃO OS RITUAIS(PUJAS)AOS DEUSES EM QUE TODA COMIDA DA DIVINDADE É ANTES OFERECIDA, ABENÇOADA E DEPOIS DISTRIBUIDA ENTRE OS PARTICIPANTES DO RITUAL OU FAMILIA. ESSA É A VERDADEIRA OFERENDA E DEVOÇÃO! ALÉM DISSO , ESTAREMOS CONTRIBUINDO EM MUITO PARA A PRESERVAÇÃO DE NOSSA QUERIDA TERRA GAIA.
MINHAS SINCERAS CONGRATULAÇÕES PELO TEMA EXPOSTO.
NAMASTÊ!

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails